domingo, 19 de maio de 2019

Sony Lacerda
Compartilhar:

Um porto inseguro

14 de novembro de 2018
O dicionário da língua portuguesa apresenta significados variados para a expressão ‘porto seguro’. Pode ser ‘lugar de uma costa onde os navios podem fundear’ ou vir carregada por uma mensagem emocional de ‘lugar onde se pode descansar ou encontrar proteção’. Usamos muito essa última definição para falarmos da terra onde vivemos quando dizemos ‘lá é meu porto seguro’.

Em Cabedelo as duas formas para essa expressão são cabíveis... ou não. Lá o porto no sentido concreto traz riquezas imensas e deveria garantir aos moradores desenvolvimento, crescimento e pobreza zero. Tudo isso, se existisse, refletiria no sentido abstrato da expressão e garantiria aos moradores um verdadeiro porto seguro.

No entanto, o que o povo daquela cidade tem vivido é lama. Cabedelo chegou ao fundo do poço e agora tenta se reerguer por meio da realização de uma nova eleição que está suspensa a pedido do PT. O presidente petista, Sandro do Sindicato, apresenta muitas justificativas para requerer essa suspensão, mas não expõe o que de fato o incomoda. De repente, estaria apenas sendo usado por adversários do prefeito interino Vítor Hugo.

O gestor em exercício, por sua vez, quer pressa. Ele precisa que a eleição ocorra enquanto consegue tocar algumas obras com o dinheiro deixado por seu amigo Leto Viana. Sim, amigo! Não adianta agora Vítor cuspir no prato que comeu e escarrar na cara de Leto. Eles eram aliados, até um deles ser preso pela Polícia Federal. A pressa também pode esconder o medo de uma nova fase da Operação Xeque-Mate. A investigação não parou e deve explodir nos próximos dias com novidades a respeito do esquema de corrupção desvendado em Cabedelo. (Nice Almeida)

Boa campanha

Em uma ação inédita, a Diretoria do Fórum Criminal da Capital promove a Campanha “Doar é Amar”. A iniciativa nasceu da parceria com a Comissão dos Juizados Especiais da OAB/PB e tem como objetivo arrecadar roupas para os moradores de rua, além de alimentos não perecíveis e roupa de cama em bom estado de conservação. A Campanha vai até o próximo dia 19. O posto de coleta fica no hall de entrada do Fórum, lna Avenida João Machado, na Capital.

João não vai

Alegando agenda lotada, o governador eleito da Paraíba, João Azevêdo, não vai ao encontro com o presidente eleito Jair Bolsonaro. O paraibano vai perder uma grande oportunidade de levar as demandas do estado o qual irá representar nos próximos quatro anos. Diferenças à parte, é chegada a hora de torcer para que o melhor aconteça.

RC responde

Quem tentou esclarecer o reais motivos da ausência de Azevêdo na reunião de Bolsonaro foi Ricardo. Ele parece ter esquecido o fato de João ser adulto e, a partir de janeiro, o novo governante. Deixa o ‘omi’ falar por si Ricardo, você mesmo passou a campanha inteira dizendo que ele tem potencial para governar. Então, desapega, passa o bastão.

Homenagem no TJPB

Ontem aconteceu a aposição da fotografia e de placa do desembargador Miguel Levino de Oliveira Ramos, no TJPB. A homenagem foi durante a 42ª sessão ordinária de julgamento do Órgão. O autor do agraciamento foi o presidente da unidade cível, desembargador Marcos Cavalcanti de Albuquerque. O desembargador Miguel Levino faleceu em julho passado. A propositura foi do presidente desembargador Saulo Henriques de Sá e Benevides.

Parceria

O deputado eleito e vereador de João Pessoa, Eduardo Carneiro, disse que irá cobrar do próximo governo parcerias para a Capital. Ele torce para que o futuro governador João Azevêdo não tenha as mesmas práticas do atual gestor, de não firmar parcerias administrativas com a cidade. Para ele, é preciso que o governador eleito tenha a autonomia necessária para decidir isso e fazer um governo mais republicano.

LRF descumprida

A Paraíba está entre os 14 estados brasileiros que superaram o limite de gastos com pessoal previsto na Lei de Responsabilidade Fiscal (LRF). De acordo com o Boletim de Finanças divulgado pelo Tesouro, além da Paraíba, descumpriram a regra Minas Gerais, Mato Grosso do Sul, Rio Grande do Norte, Rio de Janeiro, Rio Grande do Sul, Mato Grosso, Sergipe, Acre, Roraima, Paraná, Bahia, Santa Catarina e Alagoas.

Relacionadas