sexta, 20 de setembro de 2019

Lena Guimarães
Compartilhar:

Também na Educação?

12 de fevereiro de 2019
O jornalista João Costa fez um questionamento no programa Correio Debate, reproduzido para toda a Paraíba através da cadeia de emissoras da Correio Sat, que expõe a gravidade do que foi denominado de escândalo da Cruz Vermelha.

Por que o governo insiste em defender a gestão da “organização social” no hospital de Trauma, enviando seguidos releases para os veículos de comunicação enaltecendo os atendimentos realizados, ao invés de responder ao que foi revelado em decisão do TJPB?

E o que levou a Justiça a autorizar o MPPB a avançar nas investigações iniciadas pelo MPRJ é muito grave: que a instituição não preenchia os requisitos para ser reconhecida como organização social, que o contrato foi feito sem licitação, que houve desvios e pagamento de propina a agentes públicos, e que também chegou às últimas campanhas eleitorais (2014 e 2018).

Nem mesmo a divulgação de áudio de conversa de dois secretários com empresário, combinando os termos para que “ganhasse” uma licitação na Saúde, fez o Governo do Estado se pronunciar.

O governador João Azevedo só falou para criticar a iniciativa da bancada da oposição de propor uma CPI da Cruz Vermelha, segundo ele “inócua”, uma vez que o MPPB já estaria investigando. Comentou que só daria holofotes para deputados.

Na sequência, a Assembleia, presidida pelo PSB, suspende os trabalhos por 15 dias, a pretexto de reformas para adaptação da tribuna às necessidades da deputada Cida Ramos (PSB). E nem o protocolo funciona, embora o contribuinte continue pagando a conta.

Foi o procurador Eduardo Varandas (MPT), primeiro a se levantar contra a terceirização da Saúde e contratação da Cruz Vermelha, quem deu resposta para o governo e todos os paraibanos refletirem. Disse que uma CPI não é inócua e que a gestora do Trauma “inaugurou uma série de violações legais na saúde pública” da Paraíba.

Varandas assegurou que o MPT estará à disposição de eventual CPI para apresentar todos os inquéritos que tramitaram na Procuradoria. E deixou uma dica: “a CPI deve averiguar também as OS que fazem as mesmices na Educação”.

Isso é muito grave! Não pode ser ignorado.

Cabe outra pergunta: os paraibanos não merecem uma explicação?

TORPEDO

"Achei que nunca mais veria uma cena dessas em Patos, o nosso povo tendo que acordar de madrugada para tentar marcar um exame. Infelizmente desestruturaram todo o setor de marcação de consultas que implantamos para melhorar a vida das pessoas. Um retrocesso imenso!"

Do deputado Nabor Wanderley, após constatar as filas que se estendiam pelas calçadas para marcação de consultas em Patos.

Novo bloco

Líder do PP no Senado, a paraibana Daniella Ribeiro está conduzindo as conversas com partidos para a formação de um novo bloco na Casa, o que ampliar cacife e permitirá ocupação de comissões cobiçadas.

Poder

Daniella Ribeiro já reivindicou a Comissão de Ciência, Tecnologia, Inovação e Comunicação para o seu PP, que sozinho tem sete senadores. Sabe que na sua pauta estão os temas decisivos para o futuro do País.

Obras paradas

Por iniciativa do CNJ, TCU e Tribunais de Contas, começou a ser feito levantamento das obras paralisadas no País. O TCE, responsável pelo da Paraíba, já enviou questionários a gestores estaduais e municipais.

Diagnóstico

O TCE anunciou comissão formada por auditores da Corte. Serão catalogadas obras suspensas com valores superiores a R$ 1,5 milhão, iniciadas a partir de 2009. Depois do diagnóstico, vão buscar soluções.

Sucessão

Entusiasmado com os espaços que o partido conquistou a nível nacional, o DEM da Paraíba já sonha com a prefeitura da Capital. Efraim Filho confirmou que o partido tem projeto para 2020 e três pré-candidatos.

Sucessão 2

Segundo Efraim Filho, ele próprio, o recém filiado deputado Felipe Leitão e o ex-deputado Raoni Mendes estão na lista. Quem estiver melhor posicionado no ano eleitoral será o candidato a prefeito pelo DEM.

ZIGUE-ZAGUE

< Um dos mais queridos e respeitados profissionais da medicina na Paraíba, o pediatra Paulo Soares faleceu, ontem, em razão de uma pneumonia.

> Professor aposentado da UFPB, Paulinho Soares, como era carinhosamente chamado, deixa além dos familiares, uma multidão de amigos de luto.

Relacionadas