sábado, 20 de abril de 2019

Lena Guimarães
Compartilhar:

Será uma paquera?

25 de janeiro de 2019
O deputado estadual Manoel Ludgério, do PSD, teve uma atitude mais que acertada ontem ao levar prefeitos de sua base para conversar com o governador João Azevêdo. Na hora de reivindicar benefícios para um município e, consequentemente, seu povo, não há de se colocar na mesa divergências políticas. Aliás, é para isso que elegemos legisladores. Eles têm que colocar como prioridade máxima as necessidades do cidadão.

Apesar disso... é impossível não enxergar a atitude como uma possível paquera entre o parlamentar e o governador. Foi cordial demais o encontro. Amigável demais! Manoel agradeceu ao governador por atender suas principais lideranças e reivindicações, e mesmo tendo sido eleito pela oposição, comprometeu-se em assegurar apoio administrativo ao governador.

Além do mais, João está em busca de votos para seus indicados a presidente da Assembleia Legislativa. E mesmo tendo a maioria da bancada não garantir uns votinhos a mais. Se puder contar com a ajuda até mesmo dos opositores, com certeza o fará. Ele precisa eleger duas Mesas Diretoras de uma só vez e precisa demais buscar um consenso que se aproxime de uma unanimidade.

O que foi prometido durante a reunião não se sabe. Apenas o que foi pedido. Entre as reivindicações que foram postas na mesa estavam assuntos como a questão da segurança hídrica, onde foi pedido a construção de novas adutoras, saneamento básico, educação e saúde publica.

Acompanhando o deputado, estavam presentes as prefeitas Inara Marinho (São Domingos do Cariri), Cacilda (Barra de Santana) e Fátima (Matinhas), e os prefeitos João Paulo Segundo (Boqueirão), Milton Rodrigues (Alcantil), Beto de Chico (Santa Cecília), Cláudio Chaves (Pocinhos) e Aquino Leite (Alagoa Nova), justificaram ausência o prefeito Zé João (Caturité) e Paulo Monteiro (Gado Bravo).

TORPEDO

"Defendo dentro do partido, e tenho discutido com Ricardo, a importância de ele voltar a ser prefeito de João Pessoa. Sempre converso com ele e insisto nessa necessidade e é essa construção que estou fazendo. Ele realizou muito em obras e serviços para a população."

Da deputada estadual eleita Cida Ramos, sobre as eleições de 2020, revelando que vai brigar pela candidatura do ex-governador Ricardo Coutinho.

Escolhido

O PSB vai sentar de novo no trono da Assembleia Legislativa. Para presidir a Casa no primeiro biênio o escolhido já é Adriano Galdino. Agora foi a vez do martelo bater para Hervázio Bezerra, que comandará no segundo biênio.

Grave

O programa Gol de Placa vai sofrer uma auditoria promovida pelo Tribunal de Contas do Estado da Paraíba. O TCE-PB investigará possíveis irregularidades cometidas por clubes do estado para fraudar o programa.

Contra a parede

O diretor de Auditoria e Fiscalização do TCE, Francisco Lins Barreto, disse que o órgão vai tentar esclarecer a denúncia contra o programa e apurar a responsabilidade dos autores das possíveis irregularidades.

Sem dormir

Quem mostra que não cochila quando o assunto é corrupção é a deputada estadual Camila Toscano (PSDB). Ela cobrou uma fiscalização minuciosa por parte do Governo do Estado sobre as denúncias de fraudes no Gol de Placa.

Em defesa...

O advogado e ex-deputado federal Francisco Evangelista voltou a usar suas redes sociais para cobrar investimentos para o turismo paraibano. “Tenho pregado quase no deserto, sobre a falta de investimentos dos governos”.

... do turismo

Evangelista disse que encontrou um aliado, o atual Ministro do Turismo, Marcelo Álvaro, que afirmou que o grande obstáculo ao desenvolvimento do turismo no país sempre foi a falta de vontade política.

Voto de pesar

Com propositura do presidente do TJPB, desembargador Joás de Brito Pereira Filho, os membros do Pleno aprovaram Voto de Profundo Pesar pelo falecimento da senhora Natércia Coutinho, mãe do ex-governador Ricardo Coutinho.

ZIGUE-ZAGUE

< Eleito pela terceira vez consecutiva deputado federal pelo PSOL do Rio de Janeiro, Jean Wyllys vai abrir mão do novo mandato. O parlamentar está fora do país, de férias e revelou que não pretende voltar ao Brasil e que vai se dedicar à carreira acadêmica.

> Desde o assassinato da sua correligionária Marielle Franco, em março do ano passado, Wyllys vive sob escolta policial. Com a intensificação das ameaças de morte, o deputado tomou a decisão de abandonar a vida pública.

Relacionadas