quarta, 14 de novembro de 2018

Lena Guimarães
Compartilhar:

Racha na bancada girassol

08 de novembro de 2018
A disputa pelo comando da Mesa Diretora da Assembleia Legislativa escancarou o que muitos já observavam nos bastidores da política paraibana: o PSB está cada vez mais partido e menos coletivo. A legenda, que conseguiu nas eleições deste ano uma vitória aterradora na sucessão de Ricardo Coutinho por João Azevêdo, já no primeiro turno, demonstra não se entender sobre a disputa por Poder.

Parodiando Maquiavel: “Dê poder ao partido, e descobrirá por quem ele é formado”. É o retrato da legenda que teve os dois candidatos mais votados para deputado estadual e federal na Paraíba.

De um lado estão o ex-presidente da ALPB e pré-candidato a voltar ao cargo Adriano Galdino e Ricardo Barbosa. Os dois são, respectivamente, o terceiro e o quarto deputados mais votados nas eleições de outubro.

Já do outro, estão o atual presidente e deputado federal eleito Gervásio Maia, e os deputados reeleitos Estela Bezerra, Hervázio Bezerra e Jeová Campos. Após ter conquistado oito cadeiras na próxima legislatura, o PSB ao que parece deve terminar um ano que deveria ser perfeito na Paraíba com um desastre na organização.

E o racha teve o diagnóstico do principal líder da legenda e comandante do projeto político que vem governando a Paraíba nos últimos oito anos e com bilhete renovado por mais quatro, pelos eleitores. Ricardo Coutinho afirmou: “Penso que teria que ser discutida politicamente com o projeto que tem maioria na Assembleia e na sociedade, que é o Governo. Infelizmente não foi. Tenho certeza que muitos deputados estão acordando para as diversas situações que permeiam isso e a Assembleia, no nosso bloco, que é o majoritário, haverá de tomar os encaminhamentos necessários que julgar mais importantes”.

Em determinado momento da sua fala, o resistente Ricardo Barbosa afirmou que o presidente da Casa e seu colega de partido, Gervásio Maia, “cumpre interesses subalternos para tomar essa decisão esdrúxula, autoritária e submissa”. A resposta foi inicialmente de silêncio e depois com a frase: “Não há razão para estresse. Tenho apreço muito grande ao deputado Ricardo Barbosa”.

Antes de passar a faixa ao sucessor, o atual governador vai ter que construir unidade no próprio partido. Os que se levantaram contra a sua condução, assim como em outros momentos, mostram disposição para resistir ao comando contrário aos seus anseios pessoais.

(Por Damásio Dias)

Torpedo

"Da parte do Supremo Tribunal Federal, estamos abertos a esse diálogo institucional para estabelecermos um pacto republicano, como já houve no passado, e que trouxe inclusive leis benfazejas. Inclusive as leis que tratam do combate à corrupção foram fruto de pactos assinados entre os presidentes da República, do Supremo, da Câmara e do Senado." (Do ministro Dias Toffoli, presidente do STF e do CNJ, após visita do presidente da República eleito, Jair Bolsonaro.)

Formação

O presidente eleito, Jair Bolsonaro, decidiu indicar a deputada Tereza Cristina (DEM-MS) como nova ministra da Agricultura. Atende a indicação da bancada ruralista e também a cobrança de uma mulher na composição do futuro ministério.

Antecipado

A diplomação do presidente eleito deve ocorrer em 10 de dezembro, segundo o TSE. A antecipação da solenidade em oito dias, se deve à nova cirurgia a qual Bolsonaro vai ser submetido no dia 12.

Organização

O presidente do TJPB, desembargador Joás de Brito Filho, está em Brasília, para participar, na manhã de hoje, da primeira reunião entre os chefes do Poder Judiciário dos Estados e o atual presidente do Supremo e do CNJ, ministro Dias Toffoli.

Judiciário

Com o voto favorável dos paraibanos Cássio Cunha Lima e Raimundo Lira, o Senado aprovou ontem o reajuste de salário para os ministros do STF - de R$ 33,7 mil para R$ 39,3 mil - parado na Casa desde 2016. José Maranhão, com mandato até 2023, se absteve na votação.

Arrocho

A Justiça atendeu a pedido da Promotoria de Cabedelo e determinou o bloqueio dos bens de sete réus na Operação Xeque-mate. São mais de R$ 58 milhões em bens e valores indisponibilizados.

Zigue e Zague

As contas da Prefeitura de Campina Grande, referentes a 2017, foram aprovadas ontem, pelo Tribunal de Contas do Estado (TCE-PB).

Na mesma sessão, aprovou as prestações de contas do TJ (2013), da Secom do Governo do Estado (2017), da Cagepa (2017) e do Interpa (2016).

Relacionadas