segunda, 11 de novembro de 2019

Lena Guimarães
Compartilhar:

Queda e coice

17 de outubro de 2019
A sabedoria popular ensina que quando a sorte muda, além de cair do cavalo, o dito cujo ainda leva um coice, “o selo do castigo”, como canta o Paralamas do Sucesso, do paraibano Herbert Vianna.

É o que acontece não apenas com uma, mas com várias estrelas do PSB, desde que deflagrada a operação Calvário pelo Gaeco/MPPB, para apurar desvios de recursos – inicialmente da Saúde -, enriquecimento ilícito de agentes públicos e financiamento ilegal de campanhas, entre outros crimes.

O Gaeco conta com a eficiente colaboração do TCE-PB, da PF, MPF e CGU para investigar o caso que já derrubou os oito mais fortes secretários de Estado, herdados por João Azevêdo da gestão Ricardo Coutinho: Livânia Farias (Administração), Gilberto Carneiro (ex-PGE), Waldson Souza (ex-Saúde), Cláudia Veras (ex-Saúde), Ivan Burity (Turismo), Aléssio Andrade (Educação), e pediram exoneração Amanda Rodrigues (Finanças) e Luís Torres (Comunicação).

Até a 5ª fase, apenas o grupo administrativo apareceu. A 6ª fase chega ao núcleo político, com investigações que envolvem a deputada Estela Bezerra, uma das mais antigas aliadas do ex-governador Ricardo Coutinho, que avalizou Cláudia Veras para a Saúde.

Enquanto o Gaeco foca em percentual cobrado por contrato, o TCE-PB analisa as contas das organizações sociais, com lupa maior para as que estavam facilitando esses desvios. Ontem, condenou a Cruz vermelha a devolver quase R$ 11 milhões (exatos R$ 10.716.073,85), de um contrato de R$ 128 milhões, ou seja, 8,35% do total.

Esse valor corresponde apenas a despesas que a OS não conseguiu comprovar, como observou o conselheiro relator Nominando Diniz no seu voto, explicando que chama a atenção que todas as empresas prestadoras de serviços eram contratadas em outros Estado, o que dificultou a apuração das ilegalidades.

O TCE apontou superfaturamento, quarteirização e outros ilícitos e deu prazo de 60 dias para que os ex-diretores Ricardo Elias Restum e Milton Pacífico José de Araújo efetuem o ressarcimento ao Estado.

Esse valor diz respeito apenas ao desviado pela Cruz Vermelha no exercício de 2014. Pelo que informou o Gaeco à Justiça, o método também foi aplicado na Educação. Mas, os órgãos de fiscalização estão em sintonia. Quem cair, deve temer o coice.

Torpedo

"Quero apuração imediata. É a minha imagem, a minha reputação e o respeito das pessoas que confiam em mim que está em jogo. E, a despeito de qualquer foro privilegiado, coloco meus sigilos bancário, patrimonial e telefônico à disposição." Da deputada Estela Bezerra (PSB), anunciando petição ao Ministério Público e ao Judiciário para que apressem investigações sobre ela na Operação Calvário.

Bloqueio...

Em 1ª mão, o procurador chefe do MPF-PB, Rodrigo Sérgio Castro Pinto, revelou ao Correio Debate, na TV Correio, que ingressou com ação na Justiça para bloquear parte da verba de publicidade do Governo Federal.

... do bem

Segundo disse a Hermes de Luna, o valor bloqueado irá atender pacientes do Napoleão Laureano e reduzir a fila de espera para tratamento do câncer, e que MPF vai acompanhar de perto a aplicação desses recursos.

Inauguração

Promessa cumprida: o presidente da Caixa Econômica, Pedro Guimarães, confirmou, ao lado da senadora Daniella Ribeiro, a inauguração da superintendência do banco em Campina Grande no próximo dia 31.

Inauguração 2

A superintendência beneficiará Campina e mais 140 municípios. “Era algo que estava sendo discutido há décadas e agora estamos realizando. Quero agradecer à senadora Daniella”, disse Pedro Guimarães.

5G em Campina

Hoje, Daniella, que foi relatora da nova Lei Geral das Telecomunicações, estará em Campina para acompanhar testes com a tecnologia 5G – a 5ª geração de internet móvel, 100 vezes mais rápida do que o 4G.

Aplicativos

O Tribunal de Justiça da Paraíba disponibiliza novos aplicativos de consulta processual para dispositivos móveis. Além da atualização do software para Android, oportuniza na App Store um outro para iOs.

Zigue-zague

Teve quiproquó no STF, ontem, sobre votação da prisão em 2ª instância. Toffoli não gostou da opinião de Luís Barroso sobre “beneficiados” com mudança.

Barroso disse que criminosos violentos serão mantidos presos. “Portanto, no fundo no fundo, o que você vai favorecer são os criminosos de colarinho branco e os corruptos.”

Relacionadas