sábado, 20 de abril de 2019

Lena Guimarães
Compartilhar:

Qual será a decisão de João?

03 de fevereiro de 2019
A deflagração da 2ª fase da Operação Calvário na Paraíba, com cumprimento de mandados de busca e apreensão na casa de secretários estaduais, e prisão contra ex-assessor do governo, deve estar fazendo o governador João Azevêdo refletir sobre qual decisão deverá tomar nos próximos dias, com relação a manutenção de Waldson de Souza e Livânia Farias a frente de suas respectivas Pastas, Planejamento e Administração.

Com apenas um mês de gestão João tem demonstrado interesse em desvendar todo o mistério que envolve as acusações de desvio de dinheiro público e pagamento de propina a agentes públicos paraibanos, conforme demonstra o Ministério Público por meio de vasta investigação.

A primeira medida foi decretar intervenção nos hospitais geridos pela Cruz Vermelha gaúcha, alvo principal dessas denúncias. No Hospital de Trauma de João Pessoa, no Metropolitano de Santa Rita e no Geral de Mamanguape, a Organização Social já não atua mais sozinha e está sob os olhos de interventores que têm a missão e a obrigação de impedir qualquer tipo de fraude, desvio ou descontinuidade no serviço prestado à população.

E esse primeiro passo dado pode parecer pequeno, mas tem muita importância porque o processo de investigação aponta que a Organização Social não trouxe nenhum benefício para a Saúde do Estado. De acordo com relato das investigações, ao contrário de uma boa prestação de serviço o que ocorreu foi a prática de manutenção de equipamentos quebrados e até remédios vencidos sendo utilizados nessas unidades de saúde, além da suspensão de cirurgias eletivas sem nenhuma justificativa.

Em qualquer caso de corrupção, seja na saúde, educação, em qualquer setor que envolva gestão pública, não restam dúvidas, quem paga caro mesmo é o povo que fica sem serviço adequado, sem atendimento e presenciando um verdadeiro caos sem nada poder fazer. Então, João, pense bem direitinho no que fará.

Torpedo

Aos paraibanos e paraibanas, à minha gratidão pela confiança depositada em meu nome. Vamos trabalhar juntos para que a nossa Paraíba brilhe no cenário nacional, e, agora, defendendo também o nosso país.

Da senadora Daniella Ribeiro durante a posse no Senado Federal, onde atuará como a primeira paraibana eleita a ocupar uma cadeira.

Posse no TJ

O presidente Márcio Murilo afirmou que sua gestão será pautada na economia de gastos e na aproximação da Justiça com a população. Ele também enalteceu a parceria com o Governo da Paraíba, que proporcionará a reforma da sede do Judiciário.

Parceria elogiada

“Nós enfrentamos uma crise muito grande e faltou recursos para reformar a nossa sede, mas o acordo com o Governo permitirá que a Suplan recupere a coberta do Tribunal; essa é uma boa notícia”, disse.

João foi

O governador João Azevêdo esteve na posse dos novos dirigentes do TJPB. Ele ressaltou a importância de se estabelecer uma relação harmoniosa entre os Poderes, a fim de se prestar um serviço melhor ao povo.

Cartaxo também foi

O prefeito de João Pessoa também prestigiou a posse no Tribunal de Justiça. Ele também ressaltou a importância da manutenção de diálogo e harmonia entre os Poderes para beneficiar o povo.

Incentivo

O presidente do Tribunal de Contas da Paraíba, Arnóbio Viana, revelou que a Corte vai orientar os municípios a formarem consórcios regionais destinados a promover o planejamento urbanístico das cidades.

Retorno

A Câmara Municipal de Solânea retoma os trabalhos na terça-feira com novo comando. O vereador Flávio Evaristo será o responsável por administrar a Casa nesse segundo biênio do legislativo municipal.

Reforma

Flávio já chegou promovendo ações. Ele fez uma reforma na Câmara e adquiriu novos equipamentos. Para o parlamentar, isso dará mais conforto à população que frequenta a Casa e participa ativamente das sessões.

Zigue-zague

Os 36 deputados estaduais, os 12 federais e os 2 novos senadores paraibanos empossados na sexta estão sorrindo à toa porque sabem que têm quatro anos pela frente para fortalecer seus projetos e, consequentemente, seus nomes na política.

Mas eles, na verdade, têm uma missão árdua: precisam trabalhar duro para que a população continue confiando neles. Nosso país está manchado  pela corrupção e todos os parlamentares têm a obrigação de mudar essa triste realidade.

Relacionadas