segunda, 17 de junho de 2019

Lena Guimarães
Compartilhar:

Política e emprego

22 de maio de 2019
Informações dando conta de 1,2 mil demissões em indústrias de Campina, levou o deputado Eduardo Carneiro, presidente da Frente Parlamentar de Empreendedorismo e Desenvolvimento Econômico, a cobrar da Cinep medidas que possam evitar esse fechamento de vagas.

Estamos enfrentando efeitos da crise caracterizada pela dificuldade de aprovação da reforma da Previdência, onde está o maior déficit das contas públicas, que compromete a capacidade de investimentos do País.

Apresento a visão do ex-deputado e empresário torcedor da volta do crescimento, Francisco Evangelista, sobre o ambiente político.

“Se o Congresso Nacional não aprovar as reformas republicanamente, o País entrará num processo de recessão. Sem as reformas previdenciária, tributária e outras, ficaremos sem rumo, o que é péssimo para todo o povo brasileiro.

Já temos aqui os juros mais elevados do mundo, que aumenta a inadimplência, perda do poder aquisitivo, produção em declínio e desemprego em ascensão (13 milhões). Será que os congressistas não sabem disso? Sabem, mas lá existe muitos interesses conflitantes, mas creio que prevalecerá o bom senso em favor do Brasil.

Saindo do plano nacional para o local, acho que essa crise já nos atingiu. Infelizmente a Paraíba é o Estado onde existem menos investimentos federais. Não temos perspectivas de instalações de grandes empresas, nem grandes obras anunciadas, principalmente em João Pessoa, cidade que está abandonada.

Não sei se é loucura ou teimosia, mas continuo investindo no setor do turismo, que movimenta trilhões no mundo, mas irrelevante e sem apoio na Paraíba. Acredito que isso vai mudar.

Surpreso li na imprensa relatório da Sudema afirmando que 32 trechos de 25 praias do nosso litoral paraibano estavam impróprios ao banho. Isso é grave. Mais grave ainda é o desmoronamento da barreira do Cabo Branco sob o silêncio e a conformação de quase todos”.

Evangelista conta que tem lutado há mais de um ano pela conclusão de “alguns metros de calçada, um acesso a praia e a desobstrução de uma galeria no final da Avenida Cabo Branco”, sem sucesso. Por isso, entrou com ação na justiça contra a Prefeitura com “Obrigação de Fazer”, como derradeiro recurso.

Se quem quer investir não recebe apoio e a crise política elimina empregos, onde vamos chegar?

TORPEDO

"Sabemos que ainda vivemos uma grande crise econômica e que temos grande número de desempregados. Então, é preciso que o Governo tenha um plano muito claro para manter e atrair empresas para o nosso Estado, além de ter políticas eficazes para manter empregos" do deputado Eduardo Carneiro (PRTB), cobrando do governo do Estado um plano para manutenção dos empregos na Paraíba.

Panos quentes. Na manhã de ontem a deputada Pollyanna Dutra (PSB) reclamou por não ter sido convidada para reunião de seu partido, e insinuou isolamento por conta de seu alinhamento ao G10. À tarde, culpou “boatos”.

Tudo bem. Pollyanna disse que não está sendo isolada pelo governo e que nunca esteve mais alinhada com João Azevedo, a quem reafirmou lealdade. Já em relação ao PSB, minimizou não ter sido convidada para reunião.

Normalidade. Segundo Pollyanna, “todo partido que tem a democracia como centro tem essas questões e é normal acontecerem esses tipos de discussões”. Disse que na hora da reunião estava em velório em Campina Grande.

Porte de arma. João Azevedo é um dos 14 governadores que assinaram carta contra decreto que facilita porte de armas. Eles argumentam que a medida pode piorar índice de violência nos Estados, e pedem sua revogação.

Registro. Foi o Procurador Geral Adjunto da Capital, Rodrigo de Brito Pereira, que representou Luciano Cartaxo na entrega da Medalha e Diploma do Mérito Judiciário à ministra Cármen Lúcia, do STJ, promovida pelo TJPB.

Justiça. O presidente do TJPB, Márcio Murilo recebeu o juiz Perilo de Lucena, de Jacaraú, que estava acompanhado do prefeito Elias Costa. Foram apresentar dificuldades enfrentadas pela Justiça local e buscar soluções.

ZIGUE-ZAGUE

<O presidente Jair Bolsonaro confirmou, através do porta-voz Otávio do Rêgo Barros, que não participará da manifestação a favor do seu governo, marcada para domingo.

>O ato, inicialmente convocado para apoiar reformas da Previdência, Administrativa e Anticrime, passou a motivar confrontos em redes sociais com Legislativo e Judiciário.

Relacionadas