sexta, 20 de setembro de 2019

Sony Lacerda
Compartilhar:

Patos de 2012 pra cá…

22 de agosto de 2019
Para entender o caos político pelo qual passa o município de Patos, a ‘Capital do Sertão’, é preciso voltar a 2012 quando a então deputada Francisca Motta foi eleita prefeita de Patos, desbancando o agora prefeito afastado Dinaldo Wanderley Filho. Motta herdou a prefeitura do ex-genro, o hoje deputado Nabor Wanderley, prefeito por dois mandatos. À época, segundo a rádio-peão, já se sabia que a herança não era das melhores, mas que não podia vir à tona devido a ligação familiar tão forte. Nabor é pai do deputado federal Hugo Motta, neto de Francisca. A então gestora foi afastada do cargo pela Justiça, em setembro de 2016, sob acusação de improbidade administrativa com a deflagração da Operação ‘Veiculação’, da Polícia Federal, não concluindo o mandato. Em seu lugar assumiu o vice Lenildo Moraes, que estava rompido política com a então prefeita.

Diante desses escândalos, e às vésperas de nova eleição, Lenildo Moraes concorreu, mas amargou derrota. O que já era esperado. Quem saiu vitorioso foi Dinaldo Wanderley Filho. O que prometia ser uma gestão exitosa, acabou transformando Patos em novo escândalo administrativo. Dinaldinho foi afastado em agosto de 2018, denunciado pelo Ministério Público na ‘Operação Cidade Luz’ e assim continua por determinação da Justiça. Nesse momento, assume a Prefeitura, o vice Bonifácio Rocha. Figura respeitada na cidade, mas que não esperada e nem estava preparado para aguentar pressão política e o caos nas finanças, renunciou ao mandato em abril deste ano. Quem assume a cidade é o presidente da Câmara Municipal, vereador Sales Júnior, com apoio de Nabor Wanderley e Hugo Motta. Da mesma forma que Bonifácio, renunciou alegando caos nas contas públicas e pressão política. Amanhã, os vereadores de Patos elegerão novo presidente da Câmara e esse, ou essa, é quem deve governar até o final de 2020. É clichê dizer “votem consciente”, mas a história de Patos tem mostrado que é preciso começar a adotar esse conceito o quanto antes.

Estratégia errada

O senador Veneziano Vital pegou todos de surpresa ao dizer que a forma de indicação para que o ex-governador Ricardo Coutinho chegasse a presidência do PSB paraibano foi errada. Em entrevista a 98FM, deixou claro que Ricardo realmente não chegou a falar com nenhum socialista de que gostaria de assumir o comando da legenda. Durante encontro com o presidente Nacional, Carlos Siqueira, se comprometeu a encontrar uma solução para o impasse.

Expansão

Procurando não pensar na crise interna do PSB, o governador João Azevêdo esteve em Teresina, no Piauí, participando de reunião do Consórcio Interestadual de Desenvolvimento Sustentável do Nordeste. Lá, garantiu que o aplicativo ‘Preço da Hora’, implantado recentemente na Paraíba, será expandido para todos os Estados do Nordeste.

Confirmado

O secretário-chefe do Gabinete da Prefeitura Campina Grande, Bruno Cunha Lima, disse que sua passagem pela gestão será breve. “Minha passagem como secretário tem prazo. Pretendo disputar a eleição no próximo ano e existe um prazo de desincompatibilização”. A passagem meteórica tem um motivo: o ex-deputado está pronto para a disputa em 2020.

Mais uma

O MP da Paraíba protocolou a quarta denúncia à Justiça baseada na Operação Calvário, que investiga organização criminosa responsável por desvio de recursos da Saúde. Prestes a completar 51 anos de vida, o ex-procurador-geral do Estado Gilberto Carneiro foi alvo dela, a segunda contra ele, e já teme uma visita indigesta nos próximos dias. A operação derivada já teria até nome: “Uma Boa Ideia”, parafraseando a marca de bebida. Para quem pensava que o Gaeco estava parado...

Conferência

O coordenador da Infância e Juventude do TJPB, juiz Adhailton Lacet, titular da 1ª Vara da Infância e Juventude da Capital, vai representar o presidente do TJPB, desembargador Márcio Murilo, hoje, na X Conferência Estadual dos Direitos da Criança e do Adolescente da Paraíba. A presença do magistrado no evento como delegado nato foi solicitada pelo Conselho Estadual de Defesa dos Direitos da Criança e do Adolescente.

Peculato

A ex-prefeita de Sapé, Maria Luzia do Nascimento, foi condenada a uma pena de oito anos e quatro meses de reclusão e 333 dias-multa, por ter desviado dinheiro público, em benefício próprio, para utilização em campanha eleitoral. Ela foi incursa no artigo 312 (peculato) do Código Penal. A sentença foi do juiz Jailson Shizue Suassuna, integrante do grupo da Meta 4 do Conselho Nacional de Justiça, no âmbito do TJPB.

Relacionadas