quinta, 14 de novembro de 2019

Edinho Magalhães
Compartilhar:

O Reverso do “Tchau Querida”

11 de junho de 2019
O vazamento de conversas no aplicativo ‘telegran’ entre o Ministro Sérgio Moro, à época em que era juiz em Curitiba, com procuradores da força tarefa da Lava Jato, tem todos os elementos para gerar uma nova crise na República. A notícia divulgada na noite de domingo fez com que alguns líderes do Congresso se reunissem às pressas na Residência Oficial do presidente da Câmara, Rodrigo Maia. Na ‘pauta oficial’ do encontro, ainda na noite de domingo, estariam sendo discutidos com o relator da Reforma da Previdência, “definição de prazos e retoques no texto final” cujo relatório seria apresentado nesta terça em Comissão Especial.

Na ‘pauta extra-oficial’, no entanto, já se sabia que os líderes estariam discutindo também uma eventual oportunidade de negociar com o Governo Bolsonaro a aprovação, ou não, de crédito suplementar de R$ 248 bi que precisa ser autorizado pelo Congresso, por meio da CMO – Comissão Mista de Orçamento, na sessão desta terça.

O que não se sabia, ainda, era a existência de uma terceira pauta, ‘secreta’: os desdobramentos do vazamento da conversa entre o ex-juiz Sérgio Moro e procuradores da República que culminou na prisão do ex-presidente Lula e na denúncia de dezenas de...sim, parlamentares!

Como resultado desta pauta-secreta apurou-se que os presidentes da Câmara e do Senado se reuniram na manhã de ontem com o presidente do STF Dias Toffoli, diante da nova ‘crise’.

Que os líderes do Congresso vão apressar a instalação da ‘CPI dos Crimes Cibernéticos’ e pedir a convocação do Ministro Moro e dos Procuradores envolvidos nas conversas vazadas para “darem explicações”. A intenção de alguns seria a de “equiparar a situação de denunciados na Lava Jato com a dos procuradores, constrangendo-os como vitimas do mesmo procedimento: vazamento e divulgação de conversas que resultem em algum tipo de violação legal, moral ou ética”. Era tudo que o ‘centrão’ e a oposição queriam. Os primeiros por terem dezenas de seus membros denunciados e o segundo pelo discurso de prisão política do ex-presidente Lula.

Taí a crise que ninguém esperava e que o Brasil não precisava: O ‘Tchau, querida’ ao inverso.

Conselho do MP aciona Corregedoria

Quatro membros do Conselho Superior do MP Federal, órgão que já foi presidido pelo paraibano Eitel Santiago, pediram em carta na tarde de ontem, abertura de sindicância na Corregedoria do MP sobre a conduta do procurador Deltan Dallagnol, nos áudios vazados.

Paraibano em Foco

Diversos sites jurídicos, assim como o Antagonista, ainda alardeiam as declarações do Vice PGR, paraibano Luciano Mariz Maia, durante evento no Vaticano, semana passada. Maia teria falado que a prisão de Lula trouxe “grande dor ao país” e “de uso político na investigação que antecipou o mandato da ex-presidente Dilma”. Agora vazados nas conversas dos procuradores...

Paraibano em Foco 2

E o senador Veneziano Vital virou alvo do MBL, nas redes sociais, sobre ter sido “o único senador da Paraíba a ter votado contra a MP que apura fraudes no INSS”. O senador se defendeu explicando que votar contra a MP que apura as fraudes não quer dizer que ele seja a favor delas. Entenderam?

Cabeças do Congresso

Saiu a mais nova lista dos cem parlamentares mais influentes do Congresso Nacional pelo Diap. Os Cabeças do Congresso 2019 tem 5 paraibanos: os deputados Aguinaldo Ribeiro, Efraim Filho e Wellington Roberto, além dos senadores Daniela Ribeiro e Veneziano Vital. Os deputados Pedro Cunha Lima e Gervásio Maia aparecem na lista do Diap, como “ascensão”.

Lobby dos Governadores

Governadores de todo país chegam hoje à Brasília com a expectativa de conhecer o parecer da Reforma da Previdência, marcado para ser apresentado nesta terça (podendo ser adiado para quinta) na Comissão Especial da Câmara dos Deputados.

Lobby dos Governadores 2

Os Governadores vão acionar suas bancadas para pressionar seus líderes para manter os Estados incluídos no texto da Reforma. Porém a interlocução deles já não é mais com o Governo e nem com o relator da Reforma, mas com quem pode alterá-la: os membros da comissão especial.

Relacionadas