quarta, 13 de novembro de 2019

Sony Lacerda
Compartilhar:

O abacaxi paraibano

05 de outubro de 2019
O abacaxi produzido na Paraíba foi o grande protagonista da passagem do ministro-chefe da Secretaria de Governo da Presidência da República, General Luiz Eduardo Ramos, por João Pessoa, ontem. Em entrevista ao programa Correio Debate, da 98 FM, o ministro citou o quanto era doce o abacaxi paraibano, ao lembrar que já passou férias no estado. Encantado com as belezas naturais, disse que quase deserta quando servia ao Exército, para poder aproveitar a vida entre os paraibanos e as praias do litoral Sul.

Mais tarde, durante encontro com o governador João Azevêdo, o General Ramos voltou a citar o abacaxi como a boa lembrança que guarda até hoje da Paraíba. E foi em meio a conversas sobre a fruta produzida em grande escala no nosso litoral - segundo o IBGE, somos o segundo estado que mais produz a fruta, que é cultivada em uma área de 10.912 hectares, em municípios da Zona da Mata e Agreste do estado - que o ministro e o governador João Azevêdo tiveram uma tarde animada. Primeiro pela simpatia do General Ramos, que tem se mostrado um grande articulador político; segundo, foi uma tarde regada a histórias sobre as potencialidades do estado e as possibilidades de investimentos do Governo Federal não só na Paraíba, mas no Nordeste, e que deve chegar a R$ 4 bilhões em áreas como saúde, edicação e infraestrutura.

Ao final do encontro, o ministro elogiou a gestão de Azevêdo e se comprometeu em manter uma boa relação institucional junto ao Governo Federal. A felicidade, depois deste gesto do General Ramos, ficou estampada na cara de deputados federais que aqui apoiam João e, em Brasília, o governo do presidente Jair Bolsonaro, a exemplo de Efraim Filho e Wilson Santiago. Resumo da história: quem apostava em uma passagem turbulenta do ministro pela Paraíba, se enganou. A relação de cordialidade não poderia ter sido melhor.

Aplicativos de transporte

Na próxima quinta-feira a Câmara Municipal de João Pessoa realiza uma Sessão Especial para discutir a regulamentação do serviço de transporte remunerado privado individual de passageiros realizado por intermédio de operadoras de tecnologia na Capital. A Sessão é uma propositura do vereador Lucas de Brito e acontece às 14h30, no Plenário da Câmara, no Centro. Depois das discussões dos alternativos na ALPB, esse tema também promete fortes emoções.

 Moído

A reforma do prédio-sede da ALPB está dando o que falar. Depois de críticas feitas por deputados a impraticabilidade estrutural, o ex-presidente da Casa Gervásio Maia disse que está sendo vítima de ataques. O atual presidente Adriano Galdino tem defendido a construção de um novo espaço que possa abrigar gabinetes e um novo plenário.

Educação

Projeto de autoria da deputada Doutora Paula indica ao Governo do Estado a adoção de disciplinas obrigatórias nos currículos dos ensinos fundamental e médio que busquem o desenvolvimento de atividades para conscientização e prevenção contra a violência no âmbito familiar, além de conteúdo dos direitos das crianças e dos adolescentes.

Solidariedade

A 3ª edição da “Corrida do Bem” em João Pessoa vai contar com apresentações especiais dos artistas Fabiano Guimarães, Ramon Schnayder e DJ Jorge Carvalho. A atividade será realizada no dia 20 de outubro e as inscrições para as provas de 3, de 5 e 10 km podem ser feitas por meio do endereço www.hlaureano.org.br. Este ano, a corrida vai homenagear o artista paraibano Gabriel Diniz que era um dos colaboradores do Hospital.

Em brasília

O juiz Marcos Coelho de Salles, do TJPB, vai ministrar a primeira oficina do Curso Nacional de Judicialização da Saúde – Fundamentos e práticas para a atuação judicial que vai acontecer em Brasília  nos 7 e 8 deste mês. O evento  é promovido pelo CNJ e a Escola Nacional de Formação e Aperfeiçoamento de Magistrados. O tema é “Vidas identificadas X vidas estatísticas: o caso das filas de cirurgias”.

Condenação

O ex-prefeito de Marcação Paulo Sérgio da Silva Araújo foi condenado pela prática de Improbidade Administrativa nas seguintes penalidades: ressarcimento aos cofres públicos da quantia de R$ 356.914,29, suspensão dos direitos políticos pelo prazo de três anos, multa civil no valor correspondente a cinco vezes o valor da remuneração percebida à época dos fatos e proibição de contratar com o poder público.

Relacionadas