quinta, 02 de julho de 2020


Compartilhar:

Ninguém solta a mão…

14 de janeiro de 2020
A frase que se tornou viral na Paraíba - “ninguém solta a mão de ninguém” - dita pelo ex-governador Ricardo Coutinho, durante solenidade do Governo, e que chegou a gerar certo mal-estar, já que o governador João Azevêdo abriu espaço para um discurso do até então aliado e que se transformou em um grande desabafo, parece não se estender apenas ao PSB.

Na ocasião, Ricardo se referia ao que chamou de “execração pública” sobre a prisão da ex-secretária de Administração do Estado Livânia Farias suspeita de operar um esquema de corrupção na Saúde pública e investigada pela Operação Calvário, deflagrada pelo Grupo de Atuação contra a Corrupção (Gaeco). Nesse mesmo período, Livânia já havia feito acordo de colaboração e mal sabia o ex-governador que acabaria preso em dezembro passado (hoje está solto por força de liminar).

Voltando a “ninguém solta a mão de ninguém”. Se a questão se referisse apenas ao PSB, que rachou de lá pra cá, que viu João Azevêdo se desfiliar, não seria de todo um espanto. Mas, ao que se viu na delação de Livânia Farias é que oposição e situação, que vira e mexe invertem os papeis, normal - parecem não ter diferenciação. Ou seja, todos beneficiados, segundo a delação. E se sabiam, ninguém denunciou. Estranhou. Ou seja, haja mão atada. A cada dia em que novos trechos vêm à tona, você fica sem entender como todas essas forças conseguiram se unir no mesmo esquema.

De Ricardo Coutinho, passando por João Azevêdo, colocando no ‘bolo’ Lucélio Cartaxo, e chegando a setores do MDB e do Democratas. Todos citados como supostos beneficiários de propinas, direta ou indiretamente. Ou seja, poucos vêm escapando, até agora... É bom lembrar que a ‘Juízo Final’ não foi a última fase da Calvário. Não vamos nos esquecer também dos deputados citados: dois deputados federais e pelo menos nove estaduais.

A pergunta que fica, às vésperas de uma eleição municipal, é: em quem confiar? Claro, que todos têm direito a recorrer e a provar inocência ou não. Mas, são horas e horas de vídeos, não apenas de Livânia, que foi solta para responder em liberdade, mas o acordo de colaboração de Ivan Burity, ex-secretário de Turismo do Estado. Sabe-lá o que vem por aí.

Saiu da frente

O prefeito da Capital, Luciano Cartaxo, foi questionado sobre a Operação Calvário, durante solenidade na Avenida Epitácio Pessoa, ontem pela manhã, e não contou conversa: “A Calvário, vocês perguntem ao governador do Estado [João Azevedo]. É uma denúncia muito séria que foi apresentada pela ex-auxiliar do governador [Livânia Farias] em relação ao recebimento de propina, em relação a mensalão”.

Programa

Sobre o processo eleitoral, Cartaxo fez um balanço do encontro do PV, na última sexta-feira. “Nós deliberamos a importância do PV ter uma candidatura própria”. O prefeito disse que já está preparando um programa de governo, que será apresentado quando o nome apto à disputa for apresentado. Ele diz que os aliados serão ouvidos para saber quem vai seguir junto.

Campanha

A Rede de Atenção à Mulher do Núcleo Estadual de Gênero começou a traçar estratégias para a campanha “Meu Corpo Não é Sua Folia”. A deputada Camila Toscano, uma das integrantes do Núcleo, destacou que a iniciativa faz um alerta para prevenção e denúncia de crimes de importunação sexual e violência doméstica, em todos os municípios paraibanos.

Rebatendo

O governador João Azevedo rebateu as falas de Livânia, dizendo jamais ter recebido recursos - vindos de propina - de quem quer que seja para fazer uso pessoal. “A campanha foi bancada com recursos do partido [o PSB] e eu jamais autorizei que alguém recebesse recursos ilegais para bancar essas despesas”. Disse que cabia a ele rodar a Paraíba, pelas contas dele, 40 mil quilômetros.

FPM 1

Os municípios paraibanos já iniciaram 2020 amargando uma redução na parcela do Fundo de Participação dos Municípios. Todos sabemos que os recursos bancam boa parte do andamento das administrações. “Iniciamos o ano com uma notícia ruim, redução de um recurso que já não é suficiente para manter serviços em nossos municípios. Vamos pressionar a nossa bancada e iremos até o Congresso Nacional”.

FPM 2

Foi o que afirmou ontem o presidente da Famup, George Medeiros. Os municípios querem ir à Brasília cobrar a votação da Emenda à Constituição (PEC) 391/2017, que aumenta em mais 1% o FPM, para garantir transferência adicional em setembro. Ele também destacou a aprovação do Pacto Federativo. Lembrando que dentro dele, está o ponto que extingue municípios que não tem 10% de receita própria. Se correr, o bicho pega...

Mais um

O ex-prefeito de Água Branca Aroudo Firmino Batista, foi condenado por Improbidade Administrativa. Motivo: realizou gastos de R$ 100 mil com a contratação direta de bandas musicais e de artistas por meio de empresas sem exclusividade permanente. Ele teve os direitos políticos suspensos pelo prazo de cinco anos, além do pagamento de multa civil correspondente a 20% do valor global das contratações. A decisão é do juiz Rusio Lima.