domingo, 15 de setembro de 2019

Sony Lacerda
Compartilhar:

Muitos querem

13 de julho de 2019
A Prefeitura de João Pessoa é, sem dúvida, a mais cobiçada entre as 223 outras administrações na disputa eleitoral do próximo ano. E não apenas por ser a máquina pública mais rica, mas pela projeção que garante ao seu comandante, podendo até mesmo torná-lo governador do Estado. Um exemplo mais recente desse poder da Capital é o do ex-governador Ricardo Coutinho que saiu da prefeitura direto para o Palácio da Redenção, e por dois mandatos. Por conta disso, e muitas outras coisas, é que alguns nomes já começam a surgir para a disputa em 2020.

Ontem mesmo, o PTB reuniu a Executiva estadual para definir estratégias pensando no próximo ano. Mesmo não definindo nomes, deixou claro que defende “o protagonismo no processo”, podendo até mesmo lançar uma candidatura própria. Foi para isso que o deputado estadual Wilson Filho deixou Brasília e veio ficar mais próximo dos pessoenses.

Mas, não é só o PTB que já começa a se movimentar. O Democratas também reuniu lideranças, semana passada, para discutir o tema. Lá, pelo menos três nomes podem ser indicados, os do deputado federal Efraim Filho; do deputado estadual Felipe Leitão e do ex-deputado Raoni Mendes. A ‘briga’ interna promete ser boa entre os três, principalmente entre Felipe e Raoni, que já foram vereadores da Capital e conhecem bem a política da cidade.

No MDB, as articulações também já começaram a ser traçadas. O senador José Maranhão anda conversando com o deputado estadual Walber Virgolino sobre filiação e, possivelmente, pré-candidatura a prefeito da Capital. Lembrando que Walber teve uma votação expressiva em João Pessoa. Apesar das movimentações para 2020, a verdade é que os partidos aguardam pela definição do nome do PSB. Se o escolhido for Ricardo Coutinho, a estratégia é uma. Caso seja outro nome, as articulações serão outras, totalmente diferentes. Façam suas apostas.

Desabafo

O ex-senador Cássio Cunha Lima desabafou ontem ao tomar conhecimento do resultado do voto do relator do caso Empreender-PB no TRE, desembargador José Ricardo Porto. Cássio disse que “na Paraíba, sobretudo para os apreciadores de vinho, a Justiça Eleitoral não apenas tarda como também falha. Uma vergonha o que aconteceu ontem. É nojento”. A decisão do relator foi apenas pela aplicação de multa ao ex-governador Ricardo Coutinho e demais investigados.

Candidato

O ex-governador Ricardo Coutinho não deu garantias de que pode ser candidato a prefeito de João Pessoa, no pleito do próximo ano, mas afirmou que trabalha internamente no PSB para encontrar outros nomes que possam concorrer. Para ele, é importante que outros integrantes também participem dos processos eleitorais.

Estratégia

O PTB quer ampliar o número de prefeitos e vereadores nas eleições de 2020. Ontem, a sigla iniciou as discussões sobre o assunto e as estratégias que devem seguir para garantir o objetivo. Sobre a candidatura a prefeito da Capital, o deputado Wilson Filho disse ser um processo natural e garantiu protagonismo nos grandes centros. Será que dessa vez vai?

Reivindicações

Uma pauta de reivindicações foi entregue ao governador João Azevêdo, por diretores da Associação dos Professores de Licenciatura Plena do Estado da Paraíba (APLP), ontem. No final, o governador ficou de convocar a diretoria da entidade para uma nova audiência, na qual informará oficialmente as decisões, sobre a pauta apresentada. As informações são do presidente da APLP, Bartolomeu Pontes, que esteve acompanhando dos diretores Fernando Lira e Lúcio Barbosa.

Aprovação

Os integrantes do Conselho da Magistratura do TJPB aprovaram a prestação de contas de duas instituições beneficiadas com recursos provenientes de pagamento de prestação pecuniária. Foram aprovadas contas do Instituto Nossa Senhora dos Milagres de importância liberada perante o Juízo da Comarca de São João do Cariri. O valor se destinou ao Projeto “Espaço Criança-Meu Mundo Infantil”.

Protesto

Título de crédito ainda com forte penetração no mercado, o cheque está passível de protesto em cartório quando é devolvido pelo menos uma vez por falta de dinheiro na conta de quem o emitiu (sem fundos). O alerta é do tabelião substituto Vinícius Toscano de Brito. Segundo ele, a aparte que tem um cheque em mãos, devolvido por falta de fundos ou sustado sem motivos, carimbado pelo banco pode ser protestado.

Relacionadas