sábado, 20 de abril de 2019

Lena Guimarães
Compartilhar:

Lá em Cabedelo, de novo!

18 de janeiro de 2019
Nos últimos meses de tudo a gente tem visto em Cabedelo. É prefeito que foi preso, é manobra na Câmara de Vereadores para o prefeito interino, Vítor Hugo, permanecer no cargo de gestor provisório, é briga com direito a agressão entre parlamentares. Enfim... de tudo.

Ontem, apenas quatro dias após o fim do prazo para as convenções, já com os nomes postos, faltando apenas registrá-los, mais uma novidade. Agora a instabilidade se instala no Partido dos Trabalhadores.

Primeiro a Executiva Estadual do partido deliberou pela anulação da convenção da legenda na cidade, que apoiou a candidatura do vereador José Eudes (PTB) à prefeitura. Com a desistência da aliança com Eudes, foi aprovado apoio político à candidatura do PSOL e PCdoB, encabeçada por Marcos Patrício, nas eleições suplementares marcadas para o próximo mês de março.

Aí, logo em seguida, a direção municipal disse que o caso deve ser resolvido na Justiça. O presidente municipal do PT, Alessandro Batista de Lima, disse ter tomado conhecimento da decisão por meio de grupos de WhatsApp e garantiu que em nada muda a postura da legenda em favor da candidatura de Eudes.

Minutos depois veio a tréplica da estadual. Apesar do clima acirrado entre as instâncias partidárias, Jackson Macêdo afirmou acreditar no diálogo. E, embora ele tenha descartado uma briga judicial ou processo de intervenção na legenda cabedelense, admitiu aplicar as sanções previstas no estatuto em caso de descumprimento da deliberação.

E assim não se chega a um entendimento, o que divide o partido.

Eudes disse estar tranquilo e confiar no apoio do PT de Cabedelo à sua candidatura. Segundo ele, a decisão da estadual do partido não muda o apoio que foi oficializado durante convenção.

Enquanto isso, o tempo passa e as eleições ficam cada vez mais próximas sem um acordo final. Na próxima semana já termina o prazo para o registro das candidaturas e Eudes continua sem ter a certeza se emplaca as alianças prometidas para dar andamento a campanha.

TORPEDO

"Vamos resolver isso no diálogo, de forma consensuada, agora qualquer filiado ou instância inferior que descumprir uma determinação está passivo de sanções, que vão desde a advertência até a expulsão."

Do presidente do PT da Paraíba, Jackson Macedo, sobre o impasse entre os diretórios estadual e municipal de Cabedelo.

MPPB

Foram instaurados dois inquéritos para apurar denúncias de irregularidades na Câmara Municipal de Itatuba, no Agreste paraibano. A medida foi publicada nas páginas 15 e 16 do Diário Oficial Eletrônico de ontem.

Em família

Em uma das denúncias, o atual presidente da Câmara, vereador Telbânio Bezerra de Lima, é apontado pela prática de nepotismo. Ele teria nomeado um irmão para um cargo no Legislativo Municipal. É pura irmandade.

Aos amigos

O inquérito também busca apurar a prática de ‘caixa 2’ e nomeação de servidores fantasmas na atual gestão, com utilização dos salários deles para pagamento de propina a aliados. A promotora Cláudia Cabral Cavalcante está investigando.

Cortou

A presidente da Câmara de Vereadores de Campina Grande, Ivonete Ludgério, está cortando gastos. E para não dizer que educação começa em casa, ela reduziu até o próprio salário em em R$ 4 mil. Só tem mulher tampa na política da Paraíba.

Serviços TJPB

O Complexo Judicial “Desembargador João Sérgio Maia”, de Mangabeira, será inaugurado na próxima quinta. O presidente, desembargador Joás Filho, entregará ao Poder Judiciário estadual um equipamento moderno.

Estrutura

O Complexo tem três galpões onde estão instalados o Arquivo-Geral, a Gerência de Acervo, a Hemeroteca e o Almoxarifado. Parte dessas unidades funcionava em prédios locados e a transferência gerou uma economia mensal de R$ 61 mil.

Lançamento

O advogado Aluízio Nicácio Cavalcanti vai lançar, nesta sexta, o livro “Pescador de Histórias”, no auditório do Sindicado dos Bancários. Trata-se de uma obra de ensaios e contos. O prefácio é do ex-deputado, o acadêmico Ramalho Leite.

ZIGUE-ZAGUE

< Cláudio Lima saiu da Secretaria Estadual de Segurança, mas a Pasta não saiu dele. O Ministério Público de Contas entrou com uma representação contra o ex-auxiliar do governo Ricardo Coutinho e alega falsidade ideológica.

> É que Cláudio Lima contratou uma empresa de um assessor para prestar serviços à secretaria. O MPC afirma que a assinatura do contrato é de um empresário, mas que na época a empresa já pertencia ao assessor, que ainda estava na secretaria.

Relacionadas