sábado, 20 de julho de 2019

Edinho Magalhães
Compartilhar:

Julian x O Globo

19 de março de 2019
O deputado Julian Lemos elegeu seu mais novo inimigo: o Jornal O Globo. Em postagem nesta segunda-feira, 17, em sua página do facebook, o parlamentar paraibano acusa o veículo de “atacar a credibilidade de Jair Bolsonaro através de manchetes tendenciosas” (Deputado do PSL cita troca de cargos por votos na Previdência). E ataca: “o jornal exibe uma ‘edição tendenciosa’ de parte de uma conversa de 12 minutos que foi feita de forma criminosa”.

Em vídeo, ele esclarece que está sendo “vítima de mentiras sórdidas para desconstruir a minha reputação”. Julian teria sido gravado em ligação telefônica onde ele combina com um interlocutor, a indicação de perfil técnico de pessoas para a Funasa e para o Incra, na Paraíba. “Qual crime existe de um deputado da base governista indicar uma pessoa para um órgão estratégico?”, pergunta ele no vídeo, e avisa: “além da indicação não ser um crime, ela não aconteceu porque eu desisti de fazê-la”. O vídeo no facebook ainda exibe trecho da conversa, em que se repete que “as últimas indicações para estes cargos na Paraíba, teriam sido feitas, ao Governo passado, pelos então deputados Veneziano Vital e Aguinaldo Ribeiro”.

A desistência nos parece até acertada. Pelo sim, pelo não, o parlamentar - que cobra tanto dos outros - estaria evitando que amanhã também pudesse ser cobrado por suas indicações.

O episódio surge no momento que o Governo Federal lança mudança nos critérios das contratações de cargos comissionados que existem na Esplanada em 5 níveis, com salários variando de R$ 3 mil a R$ 16 mil. Pela proposta, a partir de 15 de maio, os novos indicados deverão ter: idoneidade moral; reputação ilibada; formação acadêmica na área; experiência profissional no cargo ou função, e ficha limpa. Parecia obrigação, mas não era... Avança Brasil!

Inimigo oculto

De um amigo da coluna sobre o episódio envolvendo o deputado Julian Lemos: “pra piorar, se amanhã viesse alguma cobrança sobre as indicações do deputado, ela teria nome e sobrenome: Carlos Bolsonaro”.

Sem Comentários

Já o ex-deputado Benjamin Maranhão que foi indicado pelo MDB da Paraíba para uma diretoria do Ministério da Cidadania, quando soube que sua nomeação teria sido atribuída ao deputado Julian Lemos - que a negou veementemente – preferiu apenas silenciar: “sem comentários”.

Cruz Vermelha

Em entrevista à TV CORREIO, esta semana em Brasília, o deputado Pedro Cunha Lima comentou sobre o escândalo da “Cruz Vermelha” na Paraíba, que ganha repercussão nacional: “nossa democracia vive um momento que exige que tudo tenha que ser apurado. E que tem que haver punição onde houver organização criminosa, seja com quem estiver no Poder”.

Vice Líder

O deputado Gervásio Maia está ficando bem ambientado com o Congresso Nacional. Semana passada participou de reunião com líderes da Oposição na Câmara Federal, e de lá saiu com a ‘Vice Liderança das Oposições’: “Estou honrado em fortalecer nossa atuação legislativa”.

Segurança de Barragens

O diretor do DNOCS na Paraíba, executivo Alberto Gomes, esteve em Brasília divulgando o “I Encontro sobre Segurança de Barragens”, o primeiro a ser realizado no Estado após os desastres em Minas Gerais. Será no próximo dia 29 de março, às 9hs, no LS Hotel em Manaíra.

Prestígio

Aniversariante desta segunda-feira, 17, o deputado Efraim Filho recebeu ligações dos presidentes da Câmara, do Senado e do Chefe da Casa Civil, Ministro Ônix Lorenzoni. As homenagens devem continuar hoje, quando ele chega à Brasília.

CPi do Judiciário

O senador Alessandro Vieira deve protocolar na tarde de hoje o pedido de criação da CPi dos Tribunais Superiores. Ele já tinha conseguido o número mínimo regimental para o pedido, mas espera novas adesões ao longo do dia, como a dos senadores paraibanos que ainda não assinaram o documento.

"O que enfraquece o Judiciário não é a fiscalização pelo Legislativo, mas sim a perpetuação de privilégios. A falta de luz sobre sentenças antípodas para casos idênticos. É a partidarização, o ativismo judiciário e a usurpação de prerrogativas”, senador Jorge Kajuru.

Relacionadas