quarta, 19 de setembro de 2018

Lena Guimarães
Compartilhar:

Extremos da violência

19 de janeiro de 2018
A eficiência no assalto, os estragos na estrutura da agência bancária decorrentes dos explosivos usados, e as armas pesadas, que segundo as testemunhas, os criminosos portavam, indicam que o ataque ao shopping Partage, em Campina Grande, na madrugada de quarta-feira, foi obra de profissionais experientes.

Antes dessa ação, a Paraíba virou manchete nacional pelo inusitado caso de uma agência do Banco do Brasil ter sido assaltada duas vezes em menos de 24h, entre os dias 15 e 16. Foi a da cidade de Boqueirão.

Não foram as únicas nesses primeiros dias de 2018. No dia 4 foi em São Sebastião do Umbuzeiro. No dia 5 foi em Alagoa Grande, onde os bandidos interromperam um velório. No dia 15 foi a vez de Cabedelo ser arrombada durante a madrugada.

Infelizmente, a violência na Paraíba cresceu tanto, que não apenas os bancos são alvos. Esses são cobiçados por especialistas, mas os cidadãos comuns podem se transformar em vítimas em qualquer esquina, como aconteceu com a cantora Renata Arruda.

A abordagem a Renata foi registrada em vídeo que circula nas redes sociais. Ela dirigia o carro e no momento em que iria entrar em outra rua, é obrigada a parar por homem armado. Outro abre sua porta, ela foge e eles ficam no veículo.

Ouvi comentários sobre “a sorte” e “a benção” de Renata Arruda ter saído com vida, e muitas manifestações de indignação com a impunidade que tem estimulado a criminalidade.

Em qualquer roda, todos têm uma história para contar. Falam inclusive de uma nova preocupação: o risco de levar os filhos na escola.

Quase a totalidade acredita que a presença de mais policiais nas ruas poderia reduzir as ocorrências. Destacam que o bandido sabe que o cidadão está desarmado e que não vai reagir. Podendo, tem é que correr.

A violência invadiu o debate político porque o governador Ricardo Coutinho insiste em afirmar que reduziu a violência. A oposição diz que nos oito anos anteriores a Ricardo foram registrados 7.539 assassinatos. Em sete anos de Ricardo, 10.380, ou 37,68% a mais. E temos uma polícia desestimulada pelos baixos salários e ignorada.

Mais do que o debate, o cidadão quer solução. Quer segurança.

Torpedo do Senador Raimundo Lira

"Maranhão é do meu partido e sendo candidato eu darei apoio, mas tudo pode acontecer até a definição final. Normalmente acontece isso na política da Paraíba, as coisa vão se arrumando com o tempo"

Sem pressa

Antônio Sousa, da Executiva Estadual, divulgou nota descartando que o MDB antecipe para este mês as definições sobre alianças na Paraíba. Ele lembra que o partido ainda vai editar suas resoluções nacional e estadual.

Só em julho

“Os partidos podem conversar com pré-candidatos de outros legendas, e isso está sendo feito, mas definições só nas convenções”, alertou Antônio Sousa, acrescentando que “o MDB da Paraíba jamais afrontaria” as leis.

O segredo

Perguntei a um secretário de Ricardo, depois de ouvir que ele não confiava em Lígia Feliciano, que motivo tinha, já que ela elogiava muito seu governo. Ele respondeu: “Mas não critica a oposição. Não fecha porta”.

O segredo 2

Se ainda existia alguma dúvida em relação a Ricardo Barbosa, por seus anos de amizade com Cássio, foi eliminada. Em discurso, afirmou que “Cássio mentiu em três horas mais do que realizou em 30 anos de vida pública”.

Zigue e Zague

O senador Magno Malta reagiu as declarações de Gleisi Hoffmann, de que vai ser preciso matar gente para prender Lula. “Vocês vão matar quem, cambada de cara de pau?”

“Lula na cadeia”, é o dizem outdoors espalhados em Porto Alegre. São do MBL e do Vem Pra Rua, que decidiram mostrar que o brasileiro “não é conivente com corrupção”.

Relacionadas