terça, 19 de março de 2019

Edinho Magalhães
Compartilhar:

Estratégias do Governo

24 de fevereiro de 2019
O Governo já tem pronta uma estratégia para tentar avançar nas discussões e votações da Reforma da Previdência no Congresso. Independente de prazos regimentais e da ameaça da oposição em tentar obstruir os trabalhos, a Casa Civil irá utilizar toda a influência partidária que detém junto ao Democratas, para pautar a agilidade com os presidentes da Câmara e do Senado.

A figura do deputado Rodrigo Maia será importantíssima para o sucesso dessa estratégia.

O plano se inicia com a entrega da presidência da CCJ, primeira a analisar o texto da reforma, ao partido do presidente, o PSL. Em seguida, com a indicação de um aliado do presidente da Casa para relatar a PEC na Comissão Especial, como o deputado Aguinaldo Ribeiro, por exemplo. A seguir, para ganhar tempo, articular participação dos senadores nas discussões da Comissão Especial da Câmara para que o texto a ser aprovado por uma Casa não corra riscos de ser emendado pela outra. E por fim, as estratégias de agradar aos congressistas com nomeação de cargos de terceiro escalão e verbas de emendas parlamentares.

Em tudo dando certo internamente, restaria tratar as resistências externas. São dezenas de entidades de representação nacional, das mais variadas carreiras de servidores públicos, que se mobilizam contra alguns termos da Reforma.

Se o Governo, pensando nisso, enviou um texto com ‘gordura’ para ser queimada em conversas e negociações, e estiver disposto a melhorar a comunicação com a imprensa, pode até ser que não consiga aprovar uma ‘reforma ideal’, mas já terá uma ‘reforma possível’ nas mãos.

Nesse sentido, a expectativa dos dirigentes do Congresso é que se tenha um texto para votação no plenário da Câmara até junho e, após o recesso, o Senado possa votá-lo a partir de setembro.

Harmonia nos Trabalhos

Em entrevista à TV CORREIO o deputado Efraim filho comentou sobre sua expectativa acerca do andamento dos trabalhos da reforma da previdência no Congresso. “Acredito que terá maior fluidez nas discussões, decisões e definições de cronograma com respeito aos prazos. Fará bem ter essa harmonia entre Câmara e Senado e entre o Congresso com o Planalto.

Quem Precisa de Mudança?

Ainda sobre a questão do ‘auxílio-mudança’, abordada em nossa coluna na última sexta, o deputado Ruy Carneiro autor de projeto que extingue esse benefício na Câmara Federal, lembra que o recurso é pago “indistintamente a todos os parlamentares, tanto aos novos como também aos reeleitos”. Mas quem já está em Brasília precisaria fazer mudança?

Mudança de Reeleitos

Se o recurso fosse efetivamente pago como ‘verba indenizatória’, atenderia perfeitamente o caso de alguns poucos que,de fato, precisaram se mudar à Brasília, mesmo já tendo mandato, a exemplo do deputado Hugo Motta que este ano resolveu trazer a família à Capital Federal.

Mas sendo pago a todos, indistintamente, o benefício se torna uma aberração.

Expresso da Meia Noite

O Voo TAM que sai de Brasília para João Pessoa sem escalas nas noites de quinta feira tem sido o mais procurado pelos políticos paraibanos que retornam à Paraíba. Gervásio Maia, Julian Lemos e Marcondes Gadelha estavam no ‘vôo da meia-noite’, última quinta.

Ritmo Acelerado

Sinal de que neste início de Legislatura os deputados estão conscientes da necessidade de atuarem no Congresso, em Brasília, de segunda à quinta à noite. Até pouco tempo atrás, era comum ver parlamentares deixarem Brasília já na quinta de manhã retornando somente nas tardes de terça-feira. Aí o trabalho não rende...

E No Avião...

Na saída da aeronave o ex-presidente da Assembleia Legislativa foi aconselhado em voz alta:

- “ Deputado não vá votar a reforma da previdência, hein?

Ao que o segundo interlocutor emendou o amigo:

“- votar ele precisa pra não levar falta. Resta saber se não vai votar na maldade do Governo”.

É, o tema já chegou em todas as rodas e deverá ser assunto popular ao longo do ano.

Silvio Santos vem aí...

O ex-senador Marcondes Gadelha está ultimando lançamento de livro sobre a meteórica candidatura do apresentador Silvio Santos, à presidência da República em 1989. Como seu vice na chapa, Marcondes promete revelar detalhes sobre a construção e desconstrução do mais ousado projeto político à época. “Silvio Presidente, um Caso da Política Tropical”.

Relacionadas