domingo, 16 de junho de 2019

Lena Guimarães
Compartilhar:

Esperar não custa

09 de abril de 2019
O alerta não é de hoje e nem a promessa de punição dos gazeteiros na Assembleia Legislativa surgiu nesta legislatura. O que o anúncio de corte do ponto - daqueles parlamentares que estejam ausentes às votações de projetos na Ordem do Dia - sempre traz de novidade é a esperança de que alguém realmente tenha a coragem de punir que não cumpre seu papel de deputado, no mínimo esperado por quem o elegeu.

Segundo o deputado Adriano Galdino, em seu terceiro mandato na Casa e presidente pelo segundo biênio - já estando eleito para mais dois anos -, o corte implicará no desconto de R$ 800 a cada ausência não justificada.

Mora, justamente nesse detalhe, a dúvida sobre o cumprimento da punição anunciada. Qualquer saída pode ser considerada importante ao ponto de servir como justificativa para tal? Quem vai avaliar?

Nas últimas sessões em que tive a oportunidade de estar presente, observando dali do Comitê de Imprensa, muitas das ausências se deviam ao comparecimento a eventos da agenda do Executivo. É justificativa suficiente para faltar ao Plenário estar na assinatura de uma ordem de serviços, no anúncio de projetos ou até receber visitantes de outros países? Podem dizer que sim ou não. Qual o critério?

Para o servidor público comum, aquele que teve de estudar para ser aprovado num concurso de provas e/ou títulos, as regras estão postas, e, a depender das edições do Diário Oficial do Estado, estão sendo aplicadas.

A transparência - tão desejada transparência pública - será utilizada nos casos de punição dos parlamentares gazeteiros? Espera-se que sim. Que o Diário do Poder Legislativo possa revelar as providências adotadas contra os faltosos.

Aos jornalistas que cobrem diariamente as atividades na Assembleia, alguns ouvidos em momento de espera pela presença dos parlamentares, há quem ainda não deu o ‘ar da graça’, após o retorno pós-reforma da tribuna do Plenário. Outros só têm presença assinalada pelo painel eletrônico. No mais, ninguém viu.

Em tempos de contenção de gastos e corte de despesas, que todos os Poderes do Estado da Paraíba se vêem na obrigação de fazer, descontar salário por ausência de deputado talvez seja a prova de respeito que a grande maioria dos servidores e dos eleitores em geral espera por parte dos administradores. Seja nos salões ou nas garagens, que toda ausência seja compensada com desconto no pagamento. (Por Damásio Dias)

TORPEDO

"Precisamos combater o ‘laranjal’, e não acabar com as cotas. Ao contrário, precisamos aumentar a representatividade na política"

Da senadora Daniella Ribeiro, durante café -da-manhã, que reuniu mulheres representantes do Legislativo federal e estadual, do Judiciário e da área da Saúde.

Começo

João Azevêdo comemora 100 dias à frente do Estado amanhã, com o lançamento do Sistema de Monitoramento de Segurança com Centros Integrados de Comando e Controle (CICC) em João Pessoa, Campina Grande e Patos.

Redução

O governador participou ontem de sua primeira reunião de monitoramento da Segurança Pública. A apresentação de resultados teve participação plural, nos indicativos de redução da violência. Ele destacou que os investimentos estão trazendo bons resultados.

Pegou mal

Após determinado momento da reunião, porém, houve um pedido para jornalistas e observadores deixassem a sala. Não foi revelado o motivo, mas ficou a impressão de que seria tratado algo negativo a esconder.

Primeiro

O deputado Dr. Érico (Cidadania) deu início, ontem, ao projeto Gabinete Itinerante durante encontro com produtores rurais em Patos, no Sertão. Foi ouvir as demandas da categoria. Já prepara as próximas reuniões.

Continuidade

Outros dois parlamentares estaduais já haviam iniciado rotina de reuniões com populares: Wallber Virgolino (Patriota) e Felipe Leitão (DEM). São encontros para ouvir propostas e encaminhar ações e projetos.

Nem tanto

Líder do governo Ricardo Coutinho, por sete anos e meio, o deputado licenciado Hervázio Bezerra tentou dizer o contrário, mas deixou transparecer uma certa ironia ao falar que o atual líder, Ricardo Barbosa, está indo bem na missão, iniciada há pouco mais de dois meses.

ZIGUE-ZAGUE

< Com forte tendência de vir a assumir o comando do PSL na Paraíba, o prefeito Romero Rodrigues, através do irmão Moacir e várias filiações, prepara o terreno para quando decidir deixar o ninho tucano.

> A atuação do irmão deputado do prefeito campinenses gerou revolta no atual presidente da legenda, o deputado Julian Lemos. Com adjetivos do tipo “boneco de ventríloquo” e “desertor”, ele desqualifica as reuniões.

Relacionadas