segunda, 17 de junho de 2019

Sony Lacerda
Compartilhar:

Escanteados?

22 de maio de 2019
O cancão começou a piar na Assembleia Legislativa da Paraíba - sempre pia na verdade. E parece que não vai parar (haja gogó). Não necessariamente por conta de questões envolvendo a Casa, mas deputados e o PSB. Há dias Pollyanna Dutra vem se queixando. Começou de leve, mas nessa terça-feira (21) pegou muitos de surpresa ao revelar que não apenas ela, mas também o presidente da Assembleia, Adriano Galdino, estariam escanteados pelo ninho girassol, sigla pela qual ambos foram eleitos. Galdino não disse um ‘piu’.

A parlamentar já tinha citado certo “esquecimento” por parte da cúpula do PSB, em relação ao mandato e sua participação em assuntos importantes na Casa. Bom, se presidir a Comissão de Constituição e Justiça, a mais importante da AL é estar escanteada, difícil compreender. Acredito que esse não seja o fato real desse descontentamento interno e que ronda os corredores da Casa. Já o deputado Adriano Galdino não tem do reclamar: conseguiu se eleger presidente da Casa pelos quatro anos de mandato. Acredito que não dependa tanto assim da legenda, até porque foi eleito com apoio de todos.

Sobre o escanteamento, a deputada acredita que passe pela eleição de Galdino como presidente da Assembleia Legislativa, nos dois biênios. Teria gerado descontentamento por parte do governador João Azevêdo e também do próprio PSB já que, na ocasião, a legenda tinha como certa a eleição de Hervázio Bezerra como presidente da Casa de Epitácio Pessoa, no segundo biênio. Pollyanna, cogita deixar a legenda e já se uniu ao G10. É certo que a deputada tem uma base forte no Sertão. Mas, na política, aquela máxima “uma mão lava a outra” funciona. Um precisa do outro.

As insatisfações existem. É fato. Mas, apenas Pollyanna se expôs como forma de cobrar mais atenção por parte do PSB. Essa ‘atenção’ é que não está clara. O PSB nega que exista perseguição à deputada. É muito moído desnecessário para pouco. Ou não?

Eleição unificada

Cento e sessenta prefeitos e 800 vereadores já confirmaram presença no evento que será promovido pela Federação das Associações de Municípios da Paraíba, na próxima sexta-feira. Na pauta, a PEC 56/2019 que propõe a unificação das eleições no País. A proposta é sensata, mas acho difícil passar pelo Congresso por questões eleitoreiras. Mandato maior, porém menor chance de perpetuação. A reunião terá início às 8h30 e será no auditório da Fiep, em Campina Grande.

Feminicídio

Foi instalada ontem a CPI do Feminicídio na Assembleia Legislativa. A presidência ficou com a deputada Cida Ramos; a vice-presidência com a deputada Camila Toscano e a relatoria será por conta do deputado Anísio Maia. Depois de instalada, a comissão dará início as reuniões e convocações de pessoas ligadas a segurança pública.

Sem armas

Catorze dos 27 governadores do país, entre eles João Azevêdo, assinaram uma carta em que pedem a revogação do decreto das armas do presidente Jair Bolsonaro. Eles pedem que os “poderes Executivo, Legislativo e Judiciário da União atuem tanto para sua imediata revogação como para o avanço de uma efetiva política de armas e munição no país”.

Concurso

O prefeito de Campina Grande, Romero Rodrigues, anunciou ontem a realização de concurso público com 500 vagas para a área de Saúde. O prefeito garantiu, ainda, que o certame terá vagas para as áreas da pediatria, obstetrícia e neonatologia para suprir demandas da rede hospitalar e do Serviço de Atendimento Móvel de Urgência (Samu). A relação dos cargos e quantitativos de vagas deverá ser encaminhado ao Conselho Regional de Medicina, esta semana.

Perigo

A 46ª promotora de Justiça, Sônia Maria de Paula Maia, alerta aos cidadãos para as causas e efeitos jurídicos e legais das procurações particulares e públicas dadas a terceiros (parentes, vizinhos ou ‘cuidadores’). A representante do MPPB tem registrado casos de pessoas que foram ludibriadas, porque deram poderes amplos e ilimitados a outras, sofrendo consequências dos atos praticados pelos seus procuradores.

Poderes

O presidente do TJPB, desembargador Márcio Murilo da Cunha Ramos, reuniu o corregedor-geral de Justiça, desembargador Romero Marcelo da Fonseca, e o procurador-geral de Justiça, Francisco Seráphico da Nóbrega. Na pauta, pontos de interesse comum que envolveram o aperfeiçoamento dos plantões judiciários do Ministério Público e a efetiva realização de audiências judiciais nas comarcas do Sertão.

 

Relacionadas