sexta, 20 de setembro de 2019

Sony Lacerda
Compartilhar:

Em sintonia…

28 de agosto de 2019
O governador João Azevêdo e o presidente da Assembleia Legislativa da Paraíba, Adriano Galdino, ambos do PSB, parece até que andam ‘combinando’ os discursos. O ato organizado pelo ex-governador Ricardo Coutinho em defesa da transposição das águas do Rio São Francisco, próximo final de semana, em Monteiro, pode não contar com nenhum dos dois. Eles alegam que esse é um ato político, portanto, não vão entrar nessa discussão. Tanto João quanto Galdino se utilizaram de um discurso técnico sobre o problema da falta de bombeamento das águas até a Paraíba para justificar que uma suposta ausência antecipada.

Já quando entra no campo político, a afinação entre os dois é perfeita. Com a dissolução da direção do PSB paraibano pela Executiva Nacional da legenda, as relações por aqui ficaram arranhadas. É visível que o governador João Azevêdo não fala sobre o tema de maneira confortável, mas também não esconde para debaixo do tapete o problema interno. Já Adriano, um pouco mais esquentado, já mandou até recado. “Faço as malas e vou embora”.

Voltando... Diante dessa ‘divisão’ no PSB, o grupo de João não deve mesmo se fazer presente em Monteiro. Não existe ambiente favorável para abraços e trocas de afinidades com Ricardo Coutinho. Aliás, esse ambiente já não era tão agradável desde a prisão da ex-secretária Livânia Farias na Operação Calvário. Galdino segue a mesma pisada.

Para não ir ao ato em Monteiro, Azevêdo disse preferir acreditar na nota do Ministério do Desenvolvimento Regional, atribuindo a parada do bombeamento a problemas técnicos, evitando assim um novo embate com o Governo Federal. O governador aguarda uma solução para a volta do bombeamento de água, e mais ainda pela conclusão das obras no Eixo Norte, que garantirão água no Sertão do estado. A pergunta é: se nem João, nem Galdino, quem dos aliados vai ao ato de Ricardo no próximo domingo?

Unidade

Oposição e situação se uniram ontem em torno de um pedido feito pelo governador João Azevêdo para contração de um empréstimo junto ao BID no valor de US$ 38,4 milhões. Após responder a um questionamento formulado pelos oposicionistas, o socialista ganhou o crédito dos parlamentares, que votaram pela aprovação do empréstimo. A resposta dada por Azevêdo foi motivo de elogios por parte de deputados da oposição que nunca tinham recebido essa atenção.

Grandeza

O deputado estadual Ricardo Barbosa arrancou gargalhadas dos colegas, ontem, ao falar para o deputado Wallber Virgolino, durante defesa a um projeto do Governo do Estado, que: “Sei que tem grandeza de espírito e não apenas corporal. Por isso, vai me ouvir”. Nem mesmo o deputado Wallber se aguentou com a criatividade do colega.

Verdadeiro

“Aqui convivemos com uma gambiarra. Quando ajeita uma coisa, quebra outra”, disparou o presidente da Assembleia Legislativa, Adriano Galdino, sobre um problema técnico enfrentado pela deputada Estela Bezerra no sistema de votação da Casa. A reclamação do presidente é a mesma feita por muitos outros parlamentares.

Solidariedade

A deputada estadual Doutora Paula apelou, durante sessão na Assembleia Legislativa, à população no sentido de que se engajem na campanha para ajudar o Hospital Napoleão Laureano, que enfrenta dificuldades financeiras. Ela chegou a apresentar requerimento solicitando a ajuda de prefeitos e vereadores de todo o Estado. Hoje, segundo a deputada, o hospital representa 72% no que se refere ao tratamento do câncer na Paraíba, em todas as esferas.

Estacionamento

Entre os processos em pauta hoje, o Pleno do TJPB vai julgar a Ação Direta de Inconstitucionalidade (Medida Cautelar) que tem como requerente a Associação Brasileira de Shopping Centers (Abrasce) contra a Assembleia Legislativa, questionando a Lei Estadual que dispõe sobre a dispensa do pagamento de estacionamento em shopping, mercados e centros comerciais. A relatora é a desembargadora Fátima Bezerra.

Lixão

O juiz convocado Carlos Eduardo Leite Lisboa (que substitui o desembargador Carlos Martins Beltrão Filho) homologou Acordo de Não Persecução Penal firmado entre o Ministério Público do Estado da Paraíba e o prefeito de Pedro Régis, José Aurélio Ferreira, para dar efeito aos termos pactuados, o que soluciona o problema de lançamento de resíduos sólidos no lixão. O município lançou resíduos sólidos em lixão.

Relacionadas