sábado, 04 de abril de 2020

Sony Lacerda
Compartilhar:

E os municípios?

21 de março de 2020
Assistindo às coletivas do presidente Jair Bolsonaro e do ministro da Saúde, Luiz Henrique Mandetta, comecei a “sentir falta” de um discurso mais objetivo em relação aos municípios. Não estou falando dos grandes, que têm estrutura organizada e receita própria. Estou falando dos pequenos, onde sequer existe rede hospitalar, e as poucas Unidades de Pronto Atendimento, as UPAs, funcionam de forma capenga, como diria “lá em nóis”. É um termo não adequado, mas a realidade. Municípios esses criados lá atrás, a toque de caixa para favorecer certas narrativas políticas, e que desde sempre padecem com a falta de estrutura organizacional, salvo alguns bons exemplos.

Ora, essas grandes cidades já abarcam as pequenas, gerando um gargalo que, vira e mexe, gera caos no atendimento por se impossível atender à demanda. Imagine, com a ameaça real, que é a pandemia de coronavírus. Quem vai socorrê-los? Como ficará a população? O Governo Federal está agilizando a liberação de emendas, em total de R$ 8 bilhões. Iniciativa positiva, mas que talvez não resolva os problemas existentes. Mas, sejamos otimistas nessa hora. Esperamos que esses recursos cheguem de verdade a quem realmente precisa.

A Confederação Nacional de Municípios entregou um ofício, com 17 reivindicações urgentes para viabilizar ações emergenciais de enfrentamento da doença, na presidência da República, no Supremo Tribunal Federal, na Câmara dos Deputados e no Senado. “Uma vez que as pessoas vivem nos municípios, a crise sanitária mundial gera problemas diversos, que o poder público é pressionado a resolver”, lembra o presidente da CNM, Glademir Aroldi.

Uma das solicitações é a liberação de incremento financeiro emergencial de R$ 2,4 bilhões para atenção primária de saúde – pela MP 924/2020 – por meio do Fundo Nacional de Saúde (FNS) e R$ 2,25 bilhões do Seguro de Danos Pessoais Causados por Veículos Automotores de Via Terrestre (DPVAT) para o Sistema Único de Saúde (SUS). Os valores representam 50% do montante da MP e do DPVAT e devem ser distribuídos entre os 5.568 Municípios pelo critério populacional.

Subnotificação




“É evidente que estamos tendo uma subnotificação e o governador João Azevedo não age com a responsabilidade de reconhecer que está havendo esse problema. Médicos têm denunciado. Eu, pessoalmente, tenho recebido muitas mensagens de profissionais da saúde falando em subnotificação. O que a gente percebe é que há uma incapacidade de fazer o diagnóstico sobre o coronavírus na Paraíba”, denunciou o deputado Pedro Cunha Lima, cobrando explicações do Governo do Estado.




João responde 1




O governador usou as redes sociais para falar sobre as medidas sobre o coronavírus. “Precisamos estar sempre bem informados. A falta de informação pode gerar fantasias ou notícias falsas. Isso não ajuda em nada nessa hora. Não é verdade que os exames não estão sendo feitos. Mas, para fazer o exame é preciso se encaixar no protocolo do Ministério da Saúde. Não é qualquer pessoa que pode chegar e fazer”, explicou.




João responde 2




João Azevêdo disse que o momento, agora, é de pensar mais no coletivo do que no individual. “O Governo do Estado está tomando uma série de medidas, mas é preciso que cada um faça a sua parte. Reforçar os cuidados com a higiene. Ficar em casa, principalmente se tiver sintomas. Cuidem dos idosos”. Disse ainda que não é preciso pânico, mas atenção. Vamos fazer a nossa parte.




Doação de álcool 70%




A Associação dos Produtores de Cachaça de Areia (APCA) anunciou uma ação cheia de sororidade e responsabilidade com a sociedade. A APCA decidiu doar para a rede municipal de saúde parte da sua produção de álcool 70%. Nessa concentração, o álcool é eficiente para combater vírus, fungos e bactérias. A decisão foi tomada em virtude da pandemia do coronavírus.




Cursos




Muitas instituições de ensino estão oferecendo cursos online gratuitos durante o isolamento social ou quarentena. É uma forma de contribuir com o confinamento das pessoas, para que se sintam ocupadas nesse período por conta do Coronavírus. Segue algumas: FGV - 55 cursos, USP - 17 cursos, Harvard - 100 cursos, Sebrae - 100 cursos, UDEMY - 40 cursos.




Reuniões virtuais




O PSDB da Paraíba suspendeu as capacitações com pré-candidatos a prefeito, vice-prefeito e vereadores que seriam realizadas no mês de abril. As reuniões partidárias que forem necessárias serão feitas de forma virtual. O presidente do PSDB paraibano, Pedro Cunha Lima, destacou que as medidas são essenciais para resguardar a vida de todos em período de pandemia.




Bolsa Alimentação




O vereador de Ouro Velho Paulo Junior propôs uma ação oportuna em tempo de pandemia. Ele solicitou a instituição do ‘Bolsa Alimentação’ para os alunos da rede pública de educação cadastrados e beneficiados no Bolsa Família, no período de suspensão das aulas. O valor pago deve ser correspondente ao custo efetivo por aluno vezes o período de suspensão das aulas. Alternativa melhor que aglomerar alunos para distribuir merenda, colocando em risco a população.

Relacionadas