sábado, 23 de fevereiro de 2019

Lena Guimarães
Compartilhar:

É muito difícil

06 de janeiro de 2019
Basta observar a política que tem sido feita em municípios paraibanos para ver o quanto é difícil acreditar que o Brasil está pelo menos perto de mudar quando o assunto é a boa política. Vejamos exemplos próximos, muito próximos dos paraibanos. Bayeux e Cabedelo! Como crer que duas cidades que poderiam ser tão prósperas vão conseguir riquezas e desenvolvimento diante do quadro formado de completa desatenção ao povo e a práticas de correção que deveriam permear as gestões públicas.

Em Bayeux, depois de ser preso em flagrante recebendo dinheiro configurado como propina, Berg Lima reassumiu a prefeitura e agora está respirando tranquilo porque a Câmara Municipal decidiu que ele não deveria ter seu mandato cassado. Agora ele fala em reconquistar a confiança da população que, tenho certeza, está mais que sofrida com esse vai e vem judicial que tira e bota prefeito para administrar a cidade como se comandar um município fosse brincadeira de criança.

Em Cabedelo, nem preciso mais comentar, lá virou chacota mesmo. É vereador se pegando no tapa, prefeito interino que ganha na justiça o direito de comandar uma eleição para formar nova mesa diretora da Câmara Municipal de forma que beneficiasse somente a ele mesmo, isso sem contar que esse mesmo gestor que hoje comanda a cidade aparece no meio de uma investigação que fez o prefeito anterior ser preso. Mas quem é que lembra disso se ninguém se articula na cidade para refrescar a mente do povo.

No meio de tudo isso está aquele que mais precisa: o povo! Os moradores da cidade acabam vendo o barco afundar sem poder fazer muito. Em Cabedelo uma nova eleição pode vir a mudar os quadros atuais, já em Bayeux não houve essa oportunidade.

Para aqueles que terão uma nova chance um conselho: prestem atenção em quem vocês vão colocar no comando da sua cidade. Não se deixem enganar por meio metro de asfalto ou uma cesta básica. Pense que os próximos quatro anos pode ser de muito sofrimento e muito caos. Vocês têm o poder nas mãos de um país que ainda é democrático. Façam valer esse poder.

Torpedo

Em 2018, não fomos às urnas apenas para escolher um novo presidente. Fomos às urnas para escolher um novo Brasil, sem corrupção, sem impunidade, sem doutrinação nas escolas e sem a erotização de nossas crianças. Fomos às urnas para resgatar o Brasil.

A frase pertence ao vídeo com o qual o governo federal lançou a logomarca e o novo slogan do governo. O slogan diz: Pátria Amada, Brasil!

 

Corte ou troca? O Diário Oficial do Estado da Paraíba publicado ontem trouxe uma série de nomeações para ocupação de cargos comissionados. As modificações na estrutura do governo acontecem logo em seguida às nomeações dos titulares e auxiliares das secretarias.

Olho aberto. João Azevêdo iniciou o mandato dizendo que faria cortes nessa área de servidores comissionados. Nós já falamos sobre isso aqui. Agora é importante ficar de olho se esses cortes existirão mesmo ou seria só falatório.

Coisa boa. Mais de 1.500 agentes penitenciários vão receber o Prêmio Paraíba Unida pela Paz no salário de janeiro. Um reconhecimento mais que necessário. Necessário se faz também a realização de concurso para essa área. Vamos esperar!

Quanta bondade! Em campanha pela reeleição, o presidente da Câmara Federal, Rodrigo Maia (DEM-RJ), antecipou o pagamento de auxílio-mudança aos deputados. O benefício de R$ 33,7 mil é tradicionalmente pago ao fim do mandato, que acaba em 31 de janeiro.

Antecipado. Esse dinheiro, no entanto, foi pago antecipadamente e depositado no dia 28 de dezembro na conta dos parlamentares. Ao todo, 505 deputados receberam o benefício, o que totalizou R$ 17 milhões em despesa,segundo a assessoria da Câmara.

Fora da lista. Quatro dos 513 parlamentares abriram mão – Major Olímpio (PSL-SP), Mara Gabrilli (PSDB-SP), Bohn Gass (PT-RS) e Heitor Schuch (PSB-RS). Os doze paraibanos que estão por lá pelo visto aceitaram de bom grado a graninha extra.

Convite. O Tribunal de Contas da Paraíba está convidando os gestores municipais para cadastramento no Sistema de Acompanhamento da Gestão dos Recursos da Sociedade. É transparência nas gestões, que importa para a população.

ZIGUE-ZAGUE

< Vou pedir licença para falar de um assunto que não faz parte da política, mas que é muito importante. Doação de sangue! O Hemocentro da Paraíba está com estoque baixo e precisa muito da vontade de salvar vidas do paraibano.

>Doar sangue é simples, é bom e é uma atitude mais que solidária. Quando uma só pessoa doa sangue, pelo menos quatro vidas são salvas. Procure o Hemocentro da sua cidade e também o Hemocentro itinerante que percorre o estado e faça essa boa ação.

 

Nice Almeida e Equipe CORREIO

Relacionadas