sexta, 23 de abril de 2021


Hermes de Luna
Compartilhar:

Debate da TV Correio vai coroar semana decisiva nas eleições de JP

02 de novembro de 2020
Segunda-feira, primeira dia útil de novembro. Duas semanas decisivas que separaram o eleitor da escolha que pode pesar em suas vidas nos próximos quatro anos, pelo menos. Para os 14 candidatos a prefeito da maior cidade da Paraíba, a capital de todos os paraibanos, serão dias longos, de muitas estratégias e tentativas de avançar nessa disputa. É praticamente impensável descartar a realização de um segundo turno em João Pessoa. O cenário inflacionado de candidatos dá uma ideia do que vem pela frente.

Na TV Correio tivemos a oportunidade de entrevistar, individual e presencialmente, todos os concorrentes. Entramos na última semana com dois personagens que estão bem situados na disputa e que têm apostas bem distintas nessa reta final de campanha. Nesta terça-feira é com Nilvan Ferreira (MDB) e na quinta é com Ruy Carneiro (PSDB). Antes de Nilvan tem Ítalo Guedes (Psol) e antes de Ruy tem Rama Dantas (PSTU). Esses dois sabem que têm poucas chances no cenário desenhado para que o primeiro turno seja travado entre o poder de mobilização de lideranças mais fortes contra a força e a tradição de legendas políticas.

Nilvan Ferreira  tem o lastro do MDB, um partido que pontuou a defesa da democracia e que vê no candidato a prefeito de João Pessoa a chance de popularizar ainda mais seu discurso na Capital. Esse tem sido o tom adotado pelo candidato, se identificando com setores da sociedade que vivem em áreas mais periféricas da cidade. Já Ruy Carneiro tem o desafio de manter as propostas pragmáticas do PSDB, com um discurso que tenta repassar valores como zelo pela coisa pública e ações que permitam soluções práticas para problemas da cidade. Ruy tem insistido na fala de que tem "as mãos limpas".

Pela TV Correio já passaram os outros candidatos, que, em 20 minutos (dois blocos de 10 minutos) deixaram bem definidas suas ideias de disputa. Nesse intervalo, houve claramente uma mudança de estratégia de alguns concorrentes. Eles incluíram em seus cardápios o combate à corrupção de forma mais acentuada e uma aproximação com um alinhamento mais conservador em seus discursos. Os dois únicos que não fizeram reparos significativos em suas aparições foram Cícero Lucena (PP) e Edilma Freire (PV). Cícero por se manter coerente com a ideia de que já foi prefeito e sabe do que a cidade precisa para avançar. Edilma por se manter fiel à continuidade da gestão de Luciano Cartaxo, mostrando ainda possibilidade de João Pessoa eleger sua primeira prefeita.

Já o ex-governador Ricardo Coutinho aposta numa arrancada nessa reta de campanha, amparado pelos apoios que recebe da direção nacional do PT. O que pode embaçar essa ideia é a mensagem que os próprios petistas passam para seu eleitorado quando ameaçam até de expulsar o deputado estadual Anísio Maia de suas fileiras, por ele não abrir mão se ser o candidato do partido, conforme foi deliberado em convenção municipal com o PC do B.

Postulantes como Raoni Mendes (DEM), João Almeida (SD) e Wallber Virgolino (Patriota)  imprimiram um tom mais forte em suas falas contra a corrupção, como derradeira estratégia para sensibilizar uma boa camada da população que sempre demonstrou ojeriza às lideranças envolvidas ou ao menos investigados em atos de corrupção.  Carlos Monteiro (Rede) segue em seu credo inabalável de que possa mudar o conceito de votos dos eleitores e surpreender muita gente. Mas há aqueles que acentuaram suas poucas chances na disputa, como Camilo Duarte (PCO), que foi sincero ao reconhecer que não teria como se eleger.

Essas duas semanas que separam os candidatos do primeiro turno terão um ápice no sábado (7), quando eles se confrontam no debate mais decisivo de todos que será o promovido pela TV Correio, às 20h40. Eles estarão a oito dias da votação e terão uma chance de surpreender o eleitor ou, se não tomarem cuidados extras, derraparem na reta final, onde todas aceleram e apostam todas as fichas ainda disponíveis para o confronto.