sábado, 16 de fevereiro de 2019

Sony Lacerda
Compartilhar:

Contagem regressiva

08 de dezembro de 2018
Os deputados estaduais paraibanos já começaram a contagem regressiva para o fim do mandato e início do próximo. Querem garantir logo o encerramento desta Legislatura que praticamente se encerra com a votação da Lei Orçamentária Anual (LOA), até o dia 20 deste mês. Com isso, ficarão livres para aproveitar as férias. Os que garantiram a reeleição, voltam às atividades no dia 1º de fevereiro logo após a cerimônia de posse. Mas, este dia vem tirando o sono de alguns parlamentares por ser também o momento de se escolher a nova Mesa Diretora da Casa.

Para chegar ao dia da posse, e da eleição, de cabeça fria, os deputados terão que esquentar um pouco o quengo durante o Natal e o Ano Novo. É que ainda continua pendente a situação da PEC que trata sobre o fim da reeleição - aquela que foi aprovada em plenário e depois arquivada - e da antecipação do processo eleitoral para escolha do presidente e formação da Mesa. O presidente Gervásio Maia já deu garantias que a matéria voltará a tramitar na Casa, mas da “forma correta”. O que aconteceu é que a matéria, aprovada em dois turnos, estava aguardando apenas a votação da redação final, mas não foi acatada pelo presidente por recomendação da Procuradoria.

Os deputados Adriano Galdino e Buba Germano, ambos governistas, são os que têm mais chances de chegar à presidência, caso não haja interferência do Executivo. A aprovação da PEC garantiria mais tranquilidade principalmente para Galdino, que deseja ser o primeiro escolhido presidente. Para isso, já conta com apoio de grande parte dos colegas eleitos para a nova legislatura. Tirando esse ‘pequeno’ e complicado problema para resolver ainda este ano, os deputados parecem querer que chegue logo o dia 20 para garantirem o descanso.

Em time que está ganhando...

Governador eleito, João Azevêdo não veio com surpresas no anúncio do secretariado que estará com ele a partir de janeiro. Manteve as cabeças do governo Ricardo Coutinho, com alguns ‘novos’ a exemplo do deputado federal Luiz Couto (PT) e o ex-senador Efraim Morais (DEM), este último já esteve em cargo nessa gestão. “Que os novos contribuam com essa energia renovada e os que já estão, que se renovem, se reinventem”, declarou João, durante Live nas redes sociais.

E Cláudio Lima...

Um dos anúncios mais aguardados é o de secretário de Segurança Pública Estado, cargo ocupado atualmente por Cláudio Lima, bastante criticado, mas que tem se mantido firme e com apoio irrestrito de Ricardo Coutinho. Teremos que esperar até a próxima semana, como bem disse João Azevêdo ao final da transmissão ao vivo, ontem.

Firme e forte

Outro nome que não agrada a todos, mas que continua firme e forte é o do jornalista Luís Torres, que continuará comandando uma das principais secretarias do Estado: a de Comunicação Institucional. Cargo para lá de cobiçado, mas Torres parece ter ‘conquistado’ a confiança não só de Ricardo, mas também de Azevêdo.

Corrida do Bem

Cerca de 2.500 pessoas devem ganhar as ruas da orla de João Pessoa amanhã para participar da 2ª edição da ‘Corrida do Bem’ em João Pessoa. A atividade é promovida pela Frente Parlamentar de Combate ao Câncer da Assembleia Legislativa da Paraíba e tem o objetivo de arrecadar recursos para o Hospital Napoleão Laureano. A corrida terá largada do Busto de Tamandaré, em Tambaú, às 7h. A organização recomenda que os participantes devem chegar ao local às 6h.

Acelerou

O trabalho de migração dos processos físicos para o Processo Judicial eletrônico segue em ritmo acelerado no Poder Judiciário. No mês de novembro, mais sete mil feitos foram migrados, alcançando a marca de 30 mil, no ano. Desse total, 23 mil foram oriundos do Fórum Cível da Comarca de João Pessoa. Pela estimativa do TJPB, serão migrados cerca de cinco mil processos nos 13 dias úteis de dezembro.

Opinião

O ex-deputado Francisco Evangelista fez comentário em redes socais sobre a PEC da reeleição que tramita na ALPB. “Há pouco tempo, a Assembleia da PB, aprovou uma PEC abolindo a reeleição e eliminando a excrescência de uma eleição antecipada em dois anos. O Executivo anulou essa eleição, parece-me que alegando que não foi consultado. Isso é uma interferência absurda, indevida e inaceitável”, disse o cronista.

Relacionadas