segunda, 14 de outubro de 2019

Sony Lacerda
Compartilhar:

Atraso dos partidos

28 de setembro de 2019
Quando se questiona presidentes de partidos e lideranças, sobre quem será candidato a prefeito em determinada cidade, a resposta parece pronta e ensaiada: “ainda é cedo para definir”. Sinceramente, com o tempo cada vez mais ‘voando’, pelo contrário, já está tarde. Vamos aqui lembrar de um case recente de ‘sucesso eleitoral’ - não vou entrar no mérito se está dando certo ou não, em termos de mandato . Jair Bolsonaro começou a fazer campanha para presidente da República em 2015, quando ninguém nem pensava em iniciar uma discussçao já que a eleição só aconteceria em 2018. Quanto mais ele falava, mais a esquerda criticava e, assim, foi crescendo em popularidade.

Em cima de críticas, ele definiu um público-alvo, os policiais. Bolsonaro então começou a percorrer o Brasil defendendo temas polêmicos que ninguém tinha coragem de se posicionar diretamente, como a questão da posse e porte de armas. Com esse discurso direto, o atual presidente da República chegou às famílias desses policiais, amigos e até os indiferentes à política. O trabalho iniciado em 2015, faltando três anos para a eleição (2018), ganhou proporções enormes porque além de ir pessoalmente conversar com os militares, Bolsonaro, de forma estratégica, começou a utilizar as redes sociais para se autopromover e fazer com o público fiel o defendesse.

No ano da eleição, Bolsonaro já tinha conseguido uma legião de fãs que passaram a chamá-lo de ‘Mito’. Quando os concorrentes estavam começando a realizar a pré-campanha, o atual presidente já estava com o nome consolidado. O exemplo está aí para quem quiser ver e analisar as estratégias. Os pré-candidatos já deveriam estar conversando com o eleitorado, e posicionando sobre temas de interesse comum, compartilhando. Para quem ainda está parado, sentado, quando decidir levantar e agir, poderá ter perdido o trem.

Cássio em campina

Durante capacitação de lideranças do PSDB paraibano ontem em João Pessoa, o presidente estadual da legenda, deputado Pedro Cunha Lima, disse que ainda é cedo para falar em candidaturas para prefeito de Campina Grande. Questionado sobre se o ex-senador Cássio poderia disputar, Pedro disse que acha “muito difícil”, afirmando que o processo eleitoral na Rainha da Borborema será comandado pelo prefeito Romero Rodrigues.

Avaliação

Diante dos sucessivos gestos de deputados oposicionistas de apoio e mudança de bancada na Assembleia Legislativa, a deputada Camila Toscano reafirmou que permanece na oposição ao governador João Azevêdo. Na Casa, os parlamentares oposicionistas não estão satisfeitos com as últimas declarações do líder da bancada, Raniery Paulino.

Polarização

Em Campina Grande, o deputado Tovar Correia Lima e o ex-deputado Bruno Cunha Lima começaram a polarizar a disputa pela Prefeitura Municipal. Enquanto outros possíveis candidatos tentam aparecer, os ‘meninos’ ganham os noticiários com uma certa ‘briga’. Pode nem ser estratégia, mas está funcionando que é uma beleza.

Novo PCCR da educação

Segundo a rádio-peão, o governador João Azevêdo já teria encaminhado à Asseembleia Legislativa o projeto de Plano de Cargos Carreira e Remuneração, já devidamente revisado por comissão nomeada pelo Executivo, e que beneficiaria mais de 10 mil professores da Rede Estadual de Ensino. A Associação dos Professores de Licenciatura Plena da Paraíba requisitou o projeto a Adriano Galdino, a quem pediu apoio dos parlamentares à aprovação da matéria.

Baixa turística

Um total de 38 cidades paraibanas foram retiradas do Mapa Turístico. O Estado ganhou no Mapa do Turismo 2019-2021 cinco novos municípios, porém, 38 deles saíram, reduzindo para 68. Por conta disso, o deputado estadual e presidente da Frente Parlamentar de Empreendedorismo e Desenvolvimento Econômico, Eduardo Carneiro, vai ao Ministério do Turismo tentar solucionar o problema.

Reforma política

Especialistas discutem na segunda-feira, em João Pessoa, às 9h, na OAB-PB, temas ligados a reforma eleitoral como o sistema e voto distritais puros ou mistos e relegitimação e a possibilidade de candidaturas avulsas ou independentes e a desvinculação de candidato a partido político. O evento está sendo organizado pela OAB Nacional e com apoio da Comissão de Direito Eleitoral e Parlamentar da OAB da Paraíba.

 

Relacionadas