sexta, 20 de setembro de 2019

Roberto Cavalcanti
Compartilhar:

Apesar de vocês!

15 de agosto de 2019
A criatividade e a liberdade permitem que nossas mentes desenvolvam mecanismos de defesa. Perdoem-me alguns dos que irão discordar do que penso. É que à caneta, ao papel e ao escritor é dado esse momento sublime de independência.

Assisti um tempo no qual uma bem montada máquina ideológica ocupou estrategicamente espaços na formação da opinião pública brasileira. Todos os canais foram aparelhados de forma a atender a um projeto de destruição de valores básicos de um país.

Esse grupo dominador, apologista do quanto pior melhor, leva hoje ao mundo uma imagem nacional distorcida da realidade. Nada aqui pode dar certo porque, assim sendo, permitirá que sejamos vistos como uma nação que busca, com sentimentos antes destruídos, um lugar de merecido destaque no plano internacional.

Não foi por acaso que, nas últimas eleições, a maioria do povo brasileiro optou por um projeto de reconstrução ética, moral, e econômica. Essa reestruturação não interessa a um grupo que se alimenta da pobreza, da discórdia, do encapsulamento protetor ideológico, da corrupção e da intolerância.

Sempre adotaram o descrédito e a destruição de valores morais e familiares. Quem não reza na cartilha ideológica deles é defenestrado, seja um artista, um professor, um líder político, um formador de opinião. Nesse campo, sou doutor.

Esses, por eles, são classificados de medíocres, elitistas, alienados, fora da realidade, retrógrados, entreguistas etcétera e tal. Sendo dado apenas aos “alinhados” o acatamento e a proteção nesse feudo político-ideológico.

Vocês, para quem mando esse recado, são do tempo do que “falou, tá falado, não tem discussão”. Ou fazem parte do projeto ou são sumariamente excluídos das oportunidades.

Vocês que levaram o Brasil à escuridão econômica, que não aceitam um novo projeto de liberdade e modernidade econômica e o estímulo ao empreendedorismo, são os mesmos que hoje não aceitam o perdão.

Vocês que não vão tirar a euforia do brasileiro em cantar, ao assistir à economia brotando e ao povo se amando, longe da discórdia planejada.

Vocês que estão assistindo a contragosto o fim de um sofrimento construído com o propósito intencional de gerar uma dependência eterna de uma máquina pública impagável.

Vocês que tiraram do brasileiro a alegria, sua característica básica, para inventar a tristeza dentro de um projeto de desesperança. Vocês que na tentativa de impedir o florescer da nossa economia, votam contra tudo e todos, em uma postura apenas destrutiva.

Tentam impedir o raiar do dia sem pedir licença aos brasileiros que querem um lugar ao sol. “Apesar de vocês, amanhã há de ser um outro dia”. O Brasil está renascendo e vendo o céu clarear. A turma do sempre contra não poderá abafar o nosso canto de glória.

Escrevo, hoje, aos 120 parlamentares da Câmara Federal que votaram contra o Brasil na reforma da Previdência. Por que 120 e não 124? Tenho que, de forma excepcional, respeitar o posicionamento e individualidade dos votos de quatro parlamentares paraibanos, que estariam dentro do “vocês”. Faço isso por respeito e gratidão a forma sempre profissional e amiga como fui sempre tratado por eles, e pelo respeito ao contraditório das minorias.

No mais, não entendo como em um momento de extremo desequilíbrio financeiro, não darmos todos as mãos para, juntos, soerguermos o nosso País. O que vale é que pouco a pouco, tijolo por tijolo, estamos reconstruindo o nosso Brasil.

Estamos provando ao mundo que, apesar de vocês, somos um gigante que quebra as amarras do obsoletismo e da intolerância. Avante Brasil!

Relacionadas