terça, 20 de outubro de 2020


Hermes de Luna
Compartilhar:

Alianças aceleradas por João e Cícero

26 de agosto de 2020
Formalização da coligação Cidadania/Progressistas em JP acelerou as articulações

A formalização da coligação entre Cidadania e Progressistas, para disputar a Prefeitura de João Pessoa este ano, foi um catalizador nesse processo de pré-campanha pelos maiores colégios eleitorais do Estado. A articulação foi bem estruturada e permitiu que o governador João Azevêdo chegue num palanque forte, com um nome que tem potencial para disputar a gestão do principal município paraibano: Cícero Lucena. Foi a partir dessa formalização que outros partidos se deram conta que têm que acelerar os entendimentos, os conchavos e as articulações, porque podem até ficar sem palanque este ano.

A temperatura das críticas desferidas à aliança entre João e Cícero já mostra que a ebulição intencional foi para minimizar o impacto para as próximas disputas. Uma tentativa, ainda não se sabe se bem sucedida, de desconstruir o discurso de união pelo bem de João Pessoa. Cada um atacou do jeito como pôde e desferiu golpes de todo o tamanho, na jugular dessa coligação entre o Cidadania e o Progressistas.

Outras reações também foram anotadas. Nesta quinta-feira teremos uma das mais precisas: o anúncio do nome de Lucas Ribeiro como companheiro de chapa de Bruno Cunho Lima, para disputar a Prefeitura de Campina Grande com o carimbo do aval do atual prefeito, Romero Rodrigues. Bruno é do PSD, mesmo partido de Romero. Lucas é filho da senadora Daniella Ribeiro e sobrinho do deputado federal Aguinaldo Ribeiro. Todos do Progressistas. A solenidade remota foi confirmada por Daniella em entrevista ao Correio Debate, da TV Correio.

O governador, certamente, não estará nesse palanque do segundo maior colégio eleitoral do Estado, porque tem duas pré-candidaturas de aliados antigos sonhando com seu apoio: Ana Cláudia, esposa do senador Veneziano Vital do Rêgo (PSB); e o deputado Inácio Falcão (PS do B). A estratégia do Cidadania tem que ser pragmática, para tentar evitar um racha em sua base.

Em João Pessoa, o prefeito Luciano Cartaxo (PV) admite uma reaproximação com o núcleo do PSB. Em político, até boi voa, mas a maior liderança socialista paraibana, o ex-governador Ricardo Coutinho, não vai ser atraído pela simples lenda bovina. Ele assiste os acontecimento além da esfera política. É um olho no movimento das legendas e outro na movimentação processual, especialmente do TSE e do STF. Luciano também deixa claro que não conversou ainda sobre um eventual entendimento com PSB, mas não enxerga nada demais nessa tentativa.

O PSB está apostando suas fichas numa candidatura própria e pagar pra ver, assumindo os riscos com Ricardo Coutinho. A cada decisão favorável ao ex-governador - por mais frágil que seja, como um parecer do relator no Tribunal Superior Eleitoral, que evitou em falar em inelegibilidade - já é motivo de euforias entre os girassóis. Para esta quinta, já estão previstas para pauta de julgamento do TSE mais duas Aijes (ação de investigação judicial eleitoral) contra Ricardo. Como da primeira, é sobre fatos ocorridos nas eleições de 2014.

Curioso que Cícero e Ricardo passem o mesmo momento de incertezas, cada um a seu modo e em seu processo particular. Os advogados desses dois governadores vão tentar fazer com que eles disputem as eleições municipais, mesmo com a espada de Themis sobre suas cabeças.