terça, 18 de junho de 2019

Sony Lacerda
Compartilhar:

Aliados à espera… de cargos

09 de janeiro de 2019
Passada a posse do governador João Azevêdo, chegou a vez dos deputados. O Governo do Estado iniciará a nova Legislatura com, pelo menos, 22 deputados estaduais. Aliados, sim. Satisfeitos, satisfeitos, há controvérsias.

Primeiro, João ainda não convocou nenhum parlamentar para compor o quadro de auxiliares. Só isso já teria causado certa aperreio aos suplentes aliados. Alguns poucos respiram aliviados, a exemplo de Arthur Cunha Lima Filho, que ficou na oitava suplência, mas está cotadíssimo para a Diretoria de Desenvolvimento na Cinep.

Agora, o nome que todos esperavam ver na primeira lista, e que não aconteceu: o do ex-deputado Lindolfo Pires. Lindolfo passou boa parte do mandato em secretarias para abrir espaços a suplentes aliados do então governador Ricardo Coutinho. Nas eleições, ficou na segunda suplência. Tenho certeza que esperava iniciar 2019 com uma luz no fim do túnel, mas eita túnel comprido.

João Azevedo pode até estar pensando, mas para que Lindolfo sente na cadeira seria preciso abrigar dois no Governo, entre eles, o Pastor Jutay Menezes. Esse último, segundo a rádio peão, teria sido procurado por interlocutores. A resposta do momento: não. O pastor, dizem, quer adotar discurso independente na Casa Epitácio Pessoa e se tiver que ir para uma secretaria, que seja como titular. Ah! Ainda tem o fato de que é aliado do prefeito da Capital, Luciano Cartaxo, e tem correligionários com cargos na Prefeitura. Será que é vantagem romper? Política, né mores...

Por outro lado, quem deve ‘abrir o bocão’ mesmo é o deputado Tião Gomes. É que o governador indicou para a Lotep-PB o ex-prefeito de Solânea Beto do Brasil, adversário de longas datas de Tião. Mas, calma meu povo, É que como os deputados só tomam posse só em 1º de fevereiro, pode ser que João esteja esperando as posses para então contemplar quem acha que deve ser.

Quase lá...

Um nome que pode ser ‘escolhido, como forma de se evitar um ‘racha’ na base governista, para presidente da Assembleia Legislativa da Paraíba, é o do deputado Genival Matias. O paramentar é um dos responsáveis pelas articulações de interesse do Governo na Casa. O primeiro biênio já é - quase - consenso que será o do deputado Adriano Galdino, que já presidiu a ALPB por um mandato.

Cobrança

Sobre assumir o comando das oposições no Estado, o prefeito Luciano Cartaxo tem se esquivado do assunto, diz apenas que está disposto a ‘ajudar’. Pelo visto, não vai querer colocar a mão no fogo novamente assumindo um papel sem suporte, como ocorreu em 2018. “Vou fiscalizar e cobrar para que as promessas ade campanha saiam do papel”. Tá é certo!

Chiado

Foi tanto chiado por parte da bancada de oposição na Câmara, que o prefeito Luciano Cartaxo precisou soltar uma nota explicando a nomeação do irmão gêmeo, Lucélio Cartaxo, para secretário-chefe de Gabinete. A questão é que não seria ilegal, também não vou aqui discutir competência. Mas, se o Supremo Tribunal Federal diz que pode, então pode.

Renúncia

Primeiro foi o deputado federal Pedro Cunha Lima a criticar o ‘Auxílio-Mudança’, uma ajuda de custo aos parlamentares, depois quem se manifestou foi a senadora diplomada Daniella Ribeiro, que por meio de uma rede social, anunciou que renuncia ao benefício. “Em outro momento, poderia ser justo, mas, diante de tantas diferenças entre classes sociais, remuneração de salário para o trabalhador sem direito a benefícios, sigo, de acordo com o que para mim é correto”.

De volta

O retorno das atividades das sessões de julgamentos das Câmaras Cíveis e Criminal do Tribunal de Justiça da Paraíba, está marcado para o dia 22, com a apreciação de 203 processos. Na ocasião, os desembargadores de cada unidade escolherão os novos presidentes dos órgãos para o exercício deste ano. As reuniões são realizadas no 1º andar do Anexo Administrativo do Judiciário estadual, no Centro de João Pessoa.

Atenção

Os novos gestores públicos municipais e presidentes de câmaras de vereadores que assumem os respectivos cargos a partir de 2019 precisam realizar cadastramento no sistema eletrônico do Tribunal de Contas do Estado. Os reeleitos ou ocupantes que permanecerem devem apenas declarar tal situação. Segundo o TCE, havendo modificações na equipe de assessores, será necessário o recadastramento.

Relacionadas