quarta, 13 de novembro de 2019

Lena Guimarães
Compartilhar:

AI-5 em pauta

05 de novembro de 2019
Essa ‘brincadeira’ está indo longe demais. Todos os dias temos assistido a uma tentativa de desestabilização da democracia. A última veio do deputado federal Eduardo Bolsonaro (PSL-SP) sobre a uma suposta volta do Ato Institucional nº 5, como forma de radicalizar contra a esquerda no País. Por mais que tenha havido um pedido de desculpas por parte do parlamentar - e isso é o mínimo -, muito gente levou a sério e, claro, como seguidores, andam defendendo por aí. A primeira coisa que me vem à cabeça é: vocês sabem o que foi o AI-5? Acredite, tem gentge falando, compartilhando, sem nunca sequer ter lido ou que esteja preocupado agora em ler. Óbvio, efeito de uma era digital desenfreada e sem controle e de uma legião de desinformados - que também temos culpa.

Pois bem, o texto do AI-5 foi emitido pelo então presidente, general Artur da Costa e Silva, no dia 13 de dezembro de 1968. O texto dava poder ao governo para suspender os direitos políticos de qualquer cidadão brasileiro pelo período de 10 anos e cassar mandatos de deputados federais, estaduais e vereadores; fechar o Congresso Nacional; e nomear interventores para estados e municípios. O AI-5 também proibiu manifestações populares de caráter político; suspendeu o direito de habeas corpus em casos de crime contra a segurança nacional e impôs censura prévia para jornais, revistas, livros, peças de teatro e músicas. O AI-5 vigorou até dezembro de 1978, sendo extinto no governo do general Ernesto Geisel, que deu início à abertura democrática.

Do jeito que as coisas andam, ainda vai ter quem diga: é fake news. Não, não é. É fato registrado na história. E olha que não foi apenas a esquerda a sofrer com o AI-5. Teve gente de direita e de centro que estão aí para contar essa história. O fato é: não se pode brincar com coisas sérias. A democracia custou muito ao Brasil. Não podemos apenas assistir de forma passional. Rebatam, mas rebatam com conteúdo, com consistência. Xingar e quebrar tudo - virou moda né - não vai adiantar de nada.

O discurso por si só, se perde. Também não adianta parlamentares irem às redes sociais falar que isso é um ataque à democracia, como bem fizeram os presidentes do Senado, Davi Alcolumbre, e da Câmara, Rodrigo Maia, e simplesmente não fazerem nada. Só prova que querem agradar ao espólio eleitoral deles. Eita... Mas, se depois de eleitos servem a todo o País, como podem ‘aceitar’? Só sei que a desdemocratização irá atingir a todos, inclusive, eles. (Sony Lacerda)

Torpedo

"A vice-governadora Lígia [Feliciano] tem nos acompanhado de uma forma intensa nesses 10 meses de Governo. Viajo extremamente tranquilo porque sei da postura, do compromisso. Sei que em uma semana, ela fará que esse Estado fique no mesmo patamar que nós deixamos". Do governador João Azevêdo ao falar sobre Lígia Feliciano que ficará no comando do Estado durante viagem que o socialista fará junto com governadores do Nordeste à Europa.

Mudanças à vista?

Sobre uma nova reforma administrativa, o governador João Azêvedo afirmou não ter tempo certo. O socialista aforma que quando houver necessidade, será feita. De janeiro até agora, já foram feitas várias mudanças no Governo, no primeiro escalão.

Destaque

Presidente da Comissão dos Direitos das Mulheres da ALPB, a deputada Camila Toscano integra, desde ontem, uma comissão da Unale responsável em definir propostas de combate a violência contra a mulher.

Destaque 2

“Vamos construir uma mobilização nacional no combate à violência contra a mulher e mais luta por mais segurança”, declarou a tucana. Toda e qualquer ação que proteja a mulher, é válida e digna de apoio.

Tudo certo

A suplente Jane Panta, do PP, assume hoje o mandato na Assembleia Legislativa da Paraíba, em substituição a deputada Doutora Paula, que está de licença por 60 dias. Após problemas envolvendo a licença, parece que agora vai. A convocação está no DPL de ontem.

Eleições 2020

Líder do blocão na Assembleia, deputado Wilson Filho afirmou que o PTB terá candidatos a prefeito na região de Sousa e Cajazeiras. Sobre a atuação da legenda em Campina Grande e João Pessoa, preferiu deixar no suspense.

Zigue-Zague

O PP realizará, dia 18 deste mês, um grande evento de filiação de mulheres em Campina Grande com a presença da senadora Daniella Ribeiro e de vários outros nomes do partido.

O objetivo, além da filiação de mulheres de todas as regiões do Estado, é discutir o papel e o espaço da mulher na política e debater os desafios enfrentados por elas. O evento acontecerá no auditório do Intercity Hotel.

(Sony Lacerda - Interina)

Relacionadas