domingo, 19 de maio de 2019

Edinho Magalhães
Compartilhar:

Aguinaldo, Líder de Novo?

05 de março de 2019
O presidente Bolsonaro finalmente parece ter tomado uma dose de realidade e, diante das resistências à Reforma da Previdência, sinaliza ao Congresso Nacional interesse em formar uma base aliada que ainda não possui.

Semana passada, após reunião com líderes partidários, no Palácio, ele indicou a deputada Joyce Hasselmann para a ‘Liderança do Governo no Congresso’, e sinalizou à bancada do PP com a ‘Liderança da Maioria na Câmara’. E é aí que poderá entrar o nome do experiente deputado paraibano Aguinaldo Ribeiro, ex-líder no Governo Dilma e Temer. Durante a citada reunião, Bolsonaro teria ouvido uma saraivada de reclamações e lamúrias. E também muitos ‘alertas’do tipo: “Presidente, assim a Reforma não passa; quem avisa amigo é”. Seriam ‘amigos’ mesmo?

Fato é que ‘os amigos’ querem cargos e este da ‘Maioria’ foi criado à época da ex-presidente Dilma para contemplar mais partidos em sua base aliada, aumentando para cinco, as lideranças do Planalto no Parlamento: as do ‘Governo’ e as da ‘Maioria’, na Câmara e no Senado, e a liderança do ‘Congresso’.

Pois bem, como o Presidente prometeu em campanha que iria acabar com o fisiologismo do ‘toma lá da cá’, que impera há 30 anos no Congresso - e terá que cumprir - então ele tenta resolver a questão limitando-se às nomeações de lideranças para contemplar as bancadas.

Porém, fatalmente, os líderes nomeados serão pressionados, por sua vez, a atender aos pedidos de seus amigos de bancada (mais nomeações e liberações) para formar a tão necessária ‘base aliada’. Resta saber se o presidente terá resistência suficiente para não fazer ‘mais do mesmo’ que seus antecessores. E mais do que nunca, os eleitores terão que fiscalizar os parlamentares para que tenhamos um mínimo de fleuma e civismo ético na relação entre os Poderes em Brasília. É disso, na verdade, que precisamos.

Emenda de Hugo

Pelas redes sociais o deputado Hugo Motta anuncia que destinou emenda parlamentar no valor de R$ 1 milhão para ampliar o Hospital Regional de Patos. “Esses recursos irão servir para aumentar a quantidade de vagas de UTI, enfermagem e ampliação do Centro Cirúrgico”.

Audiência em Brasília

O presidente nacional do SindReceita, (Analistas Tributários da Receita Federal), paraibano Geraldo Seixas, foi recebido em Brasília na última quinta pelo líder do Governo na Câmara, Major Vitor Hugo. Na pauta, Reforma da Previdência e projetos de reestruturação da RFB.

Evento na Paraíba

O presidente do Colégio Permanente de Juristas da Justiça Eleitoral – Copeje, que tem sede nacional em Brasília, paraibano Telson Ferreira, estará em João Pessoa para evento do TRE-PB, no auditório do Hotel Nord, no próximo dia 11, juntamente com os ministros do TSE, Tarcísio Vieira e Sérgio Banhos, Será o I Colóquio de Direito Eleitoral do Copeje.

Currículo Virtual

Pelas redes sociais, em pleno domingo de carnaval, o deputado Julian Lemos resolveu postar uma espécie de ‘currículo virtual’, historiando seu passado como empresário, homem de mídia e palestrante, até o dia que fez um vídeo e obteve 4 milhões de visualizações no facebook. Daí conheceu Bolsonaro quando ele foi à Paraíba e “de lá pra cá, todos devem saber da história”.

Preocupação do Frei

Na opinião do deputado Frei Anastácio, a proposta de Reforma da Previdência enviada pelo Governo Bolsonaro tem um lado preocupante: “sem a seguridade social, durante o período de transição, em que novos beneficiários poderão ingressar no regime de capitalização, tendo suas contribuições separadas e não destinadas a pagar os atuais beneficiários, o Estado poderá ficar em situação vulnerável e terá dificuldade de sustentar sozinho a previdência social”.

Negociação Sindical

A despeito da MP que o presidente Bolsonaro editou semana passada, extinguindo o imposto sindical obrigatório, as bancadas sindicais do Congresso prometem emendar o texto criando a ‘negociação sindical’, para que a contribuição mensal possa ser aprovada por assembleia.

"Do modo como se apresenta, a Reforma da Previdência é cruel e desumana para o homem do campo, para servidores públicos e mulheres”, deputado Gervásio Maia.”, deputado Gervásio Maia.

“Não podemos salvar os cofres públicos (com a Reforma da Previdência) tirando dos mais pobres o pouco que recebem .”, deputado Ruy Carneiro em entrevista à TV CORREIO.

 

 

Relacionadas