segunda, 14 de outubro de 2019

Lena Guimarães
Compartilhar:

Adriano x Gervásio

01 de outubro de 2019
Quem deu causa ao racha no PSB e as rusgas entre o atual governador João Azevedo e o ex-governador Ricardo Coutinho? A questão também confronta um titular e um ex. O presidente da Assembleia, Adriano Galdino e seu antecessor, o agora deputado federal Gervásio Maia.

Quando a crise no PSB parecia que estava amainando, eis que Adriano Galdino, pressionado por repórteres, exime de culpa as deputadas Cida Ramos e Estela Bezerra, e diz que a intriga entre João e Ricardo foi provocada principalmente por Gervário Maia.

O motivo? Quando terminou seu mandato de Presidente da Assembleia, seus nomeados foram exonerados, como sempre acontece. Ele teria tentado garantir que fossem assimilados pelo governo do Estado, mas não conseguiu. Depois disso, “passou a levar fofoca e fuxico para Ricardo contra João, e Ricardo tomou as dores”.

Gervásio Maia divulgou uma nota, na qual não cita Adriano Galdino, mas “ofensas proferidas” a seu respeito. Diz não entender motivos, “de alguns que, de hora para outra, resolveram me atacar”, e que responde “em respeito ao povo da Paraíba”.

Não faz nenhuma referência as nomeações, apenas a seu temperamento. “Não posso ser responsável por nenhuma crise de quem quer que seja pois isso não faz parte da minha história. A ingratidão é algo tão terrível que parece corroer a alma de quem a exerce. Na minha vida, os que me conhecem sabem do meu perfil e caráter”.

Diz mais: “Jamais se encontrará na minha trajetória de vida a desonestidade ou covardia. Jamais fui contra minhas crenças, minhas convicções, nem abandonei meus amigos, principalmente, em horas difíceis”.

João Azevedo, que já assinou carta renúncia a qualquer cargo na comissão provisória que resultou da intervenção no Diretório Estadual, questionado, deu a seguinte resposta: “Eu não trato essa pauta dessa forma, evidentemente que o governo se faz com parceiros e aliados, é óbvio, mas não acho que tenha sido essa a causa principal”. Ou seja, tem mais coisas, mas isso também pesou.

TORPEDO

"Não anunciei saída do PSB para ninguém. Agora eu sempre tenho dito que o ciclo precisa se fechar. As coisas precisam acontecer. A partir da eleição da nova diretoria é que iremos esperar o momento para que seja feito."

Do governador João Azevedo, reafirmando que não é hora de tomar decisão sobre sair do PSB.

Daniella

Entre outros cargos nacionais de destaque, Lafaiete Torres foi presidente do Banco do Brasil e da Caixa Econômica. Dele recebo menção à coluna de domingo e aos ataques ofensivos a senadora Daniella Ribeiro.

Presente

“Como habitualmente, o seu talento de ver mais longe e com clareza as coisas da política imperou. Daniella Ribeiro foi, certamente, a maior dádiva que a politica paraibana recebeu nos últimos tempos”, observa.

Escalada

Lafaiete explica sua constatação: “Senadora de 1° mandato, lidera o seu partido, entre os quais um senador do quilate de Esperidião Amin, que já foi governador do seu Estado e candidato a Presidente da República”.

Superintendência

Diz que como ex-presidente da CEF, duvidou da promessa do atual de colocar uma Superintendência em Campina. No Brasil existiriam mais de cem cidades, “mais importantes, disputando tal privilégio”.

Dúvida

Lafaiete Torres continua: “Não fiquei só, pois consultei um amigo também ex-presidente dessa instituição financeira e ele concordou comigo”. Para eles, não seria possível a concretização da promessa.

Prestígio

“Quando vi as providências para instalação da referida Superintendência, observei o prestígio que Daniella granjeou em pouco tempo de mandato de Senadora. Breve veremos a senadora dizer Eu contra Eles”, conclui.

ZIGUE-ZAGUE

< O Senado deve votar hoje, na CCJ e em 1° turno no plenário, a PEC da Reforma da Previdência. O relator é Tasso Jereissati, que aceitou apenas uma emenda supressiva.

> Germano Toscano, presidente da AnoregPB, disse ao desembargador Marcos Cavalcanti que a AnoregBR disponibiliza à Esma parceria gratuita em seus cursos.

Relacionadas