terça, 16 de julho de 2019

Sony Lacerda
Compartilhar:

A reforma da reforma

06 de março de 2019
Aliados, aliados, negócios... ops, presidência da Assembleia Legislativa à parte. Dois protagonistas: Gervásio Maia Filho e Adriano Galdino. No meio, a reforma do prédio-sede localizado na Praça dos Três Poderes. Até o dia 31 de janeiro, Gervásio era o presidente do Legislativo paraibano. Deixou o Estado para alçar novos vôos em Brasília como deputado federal. Galdino, reeleito deputado estadual, foi eleito, por dois mandatos, para presidente da Casa de Epitácio Pessoa. Ambos do PSB, até então uma relação bastante amigável. Até a acessibilidade não ser tão acessível e até as chuvas começarem em João Pessoa.

Maia encampou uma reforma no prédio da Assembleia em nome da história e do fato de que levar à sede da Casa para outro lugar ‘desfalcaria’ os demais Poderes. Galdino, por sua vez, chegou a cogitar a mudança. Alegava que a atual sede é antiga e por mais reforma que se faça, sempre haverá problemas. E foi isso que aconteceu, mais rápido do que se imaginava.

Primeiro, a questão da acessibilidade. Lembro que uma das razões apontadas para a reforma por Gervásio Maia era de que o prédio precisava ser adequado para promover a acessibilidade e, ainda mais que uma deputada – Cida Ramos -, com necessidades especiais dessa natureza, foi eleita. Mas, não só por ela, mas por todos que frequentam a ALPB. Não é a casa do povo...

Pensei que iria ver o exemplo de acessibilidade. O que não aconteceu. Passada a eleição para presidente da Mesa Diretora, a primeira decisão foi parar os trabalhos por 15 dias para uma minirreforma. Em seguida, caíram as chuvas e com elas as ‘cachoeiras’ na creche da Assembleia. Resultado: crianças com aulas adiadas.

A questão não é quem fez e o que alguém gostaria de fazer. É que sendo aliados, até então entendíamos assim, parece que não conversaram entre si. A política tem dessas coisas, fechar os olhos para mais à frente criticar. Galdino disse que “Gervásio gastou uma pequena fortuna para a reforma”. Disse ainda que desde que assumiu, quando o telefone toca em dia de chuva, já tem ideia do que seja. Gervásio respondeu a Galdino, dizendo que faria tudo de novo. Defendo a manutenção do prédio onde está hoje. Mas, que se for para fazer reforma que todos participem. Porque depois ficar um falando do outro, não dá. Ainda mais quando a conta quem paga somos nós.

Reunião marcada

O Conselho da Magistratura do TJPB se reunirá na sexta-feira para apreciar 25 processos, durante a 1ª Sessão Ordinária deste ano. Os trabalhos terão início às 9h, na Sala de Sessões do Tribunal Pleno, no Anexo Administrativo. Na pauta, processos de Correição Extraordinária, Inspeção, Pedido de Providências, Correição Ordinária, Administrativo e Inspeção. Os processos têm como relatores os desembargadores Leandro dos Santos e Maria das Graças Morais Guedes.

Tecnologia

No dia 16 deste mês, o Iesp vai sediar 1º Encontro PHP-PB de Tecnologia da Informação (TI). O evento tem como objetivo compartilhar conhecimentos da área e a ampliação de networks, trazendo para o meio acadêmico a experiência de profissionais de TI em suas práticas diárias. A participação é aberta ao público e gratuita mediante inscrição.

Um pé dentro

Depois da adesão dos vereadores Humberto Pontes e Chico do Sindicato - ambos do Avante - ao prefeito Luciano Cartaxo, quem está doido para entrar na base é o presidente da legenda Márcio Alencar. Apesar de não ter tido um anúncio oficial de apoio, já é “sabido” que a legenda está com um pé dentro do Governo municipal. Quem não viu, presta atenção...

Manda ‘zap’

A rádio-peão apurou pelos corredores da Câmara de João Pessoa que alguns vereadores não estariam nada satisfeito com o tratamento recebido por parte do presidente João Corujinha. Pelos corredores da Casa de Napoleão Laureano só o que se fala é que até por telefone, anda difícil. Será? Será que os vereadores não estariam carentes ou com uma lista extensa demais? Bom, se não atende telefone, manda um ‘zap’, sempre há um jeitinho de se fazer notar.

Acordo 1

O líder governista Milanez Neto mostrou toda a sua habilidade, diga-se de passagem é de família, na reunião entre oposição e situação em relação às Comissões Permanentes da Câmara da Capital. Após alguns estranhamenotos, Milanez convidou os blocos para uma reunião e o acordo foi selado às vésperas do Carnaval. “As lideranças demonstraram maturidade com o fechamento do acordo”, ressaltou.

Acordo 2

A divisão ficou assim: Comissão de Constituição e Justiça (Thiago Lucena - PMN); Comissão de Finanças e Orçamento (Damásio Franca - PP); Comissão de Direitos Humanos (Sandra Marrocos - PSB) e a Comissão de Políticas Públicas (Marcos Henriques - PT). Esse último foi um dos que reclamou, bastante, sobre a divisão entre comissões x bancadas. O acordo deve sere referendado na volta dos trabalhos pós-carnaval.

Relacionadas