segunda, 17 de junho de 2019

Lena Guimarães
Compartilhar:

A marca de João

18 de maio de 2019
Será que o substantivo neófito (aprendiz, novato, principiante), ainda cabe para o governador João Azevedo, no que diz respeito à política?

Em agosto de 2017, quando foi lançado ao governo por Ricardo Coutinho, ele era um técnico respeitado, reconhecido como responsável pelo legado de obras das gestões do PSB. Seria sua primeira campanha, enfrentando o mais votado ex-governador pós redemocratização – José Maranhão -, e o candidato das oposições, Lucélio Cartaxo.

Contra as expectativas, João não apenas venceu, mas garantiu o governo no 1° turno, com 58,18% dos votos válidos. E sua coligação elegeu a maioria absoluta dos deputados estaduais.

As dúvidas persistiam: quem vai mandar no governo? O eleito ou o antecessor?

No 5° mês de gestão e com uma Operação Calvário que passou a testar suas habilidades políticas com apenas 31 dias no cargo, João está, aos poucos, impondo sua marca. Aproveitou as exonerações dos ocupantes de cinco das principais secretarias do governo – Administração, Procuradoria-Geral do Estado, Planejamento, Saúde e Finanças - para colocar técnicos ou nomes de sua confiança.

Ainda na gestão, anunciou concursos para Educação (4.000 vagas, sendo 1.000 a cada ano do mandato), Fundac (400 vagas para agentes socioeducativos), para a Procuradoria-Geral (30 vagas) e Aesa (para engenheiros). É reversão da tendência de contratação sem concurso, que marcou a gestão do antecessor.

Dos 59.370 servidores na ativa que estão na folha do Estado, 24.168 (40,70%) não fizeram concurso. São temporários, prestadores apoio, prestadores professores, prestadores de serviços, contratados de emergência, requisitados, estagiários ou comissionados. E ainda tinha os codificados. Fazer concurso é opção pela meritocracia.

Faltava a base de apoio no Legislativo. O G10, grupo formado por 10 deputados de vários partidos, que pode decidir qualquer votação na Assembleia, após impor derrotas ao governo, saiu de uma conversa com João proclamando que estão “afinados”. Teve deputado que disse ser o grupo a verdadeira base do governador, ou a confiável. Venceu mais um obstáculo.

TORPEDO

"Foi estipulada apenas uma relação de respeito e confiança. A gente precisava dessa linha direta para dizer que a gente está lá para ajudar o governo. Nada foi imperativo. É uma relação de respeito e confiança."

Da deputada Pollyanna Dutra, sobre o encontro do G10 com o governador João Azevedo.

Homenagens

O TJPB vai entregar, hoje, a Medalha e Diploma do Mérito Judiciário, na categoria Alta Distinção, a ministra Cármen Lúcia (STF), a Luciano Maia (o 2° na PGR), e ao desembargador federal Rogério Fialho (TRF-5).

Destaque

O evento será às 17h, no teatro Pedra do Reino do Centro de Convenções, onde acontece o XVII Congresso Internacional de Direito Constitucional, que também homenageará o presidente da Câmara, Rodrigo Maia.

Palestras

No evento que reúne grandes nomes do Direito Constitucional no Brasil, Rodrigo Maia fará palestra sobre a reforma da Previdência, enquanto a ministra Cármen Lúcia falará sobre República e Constituição.

Livre

A ex-vereadora Jacqueline Franca (PRP), esposa do ex-prefeito de Cabedelo, Leto Viana, presa há um ano acusada de integrar organização criminosa, foi libertada. Seria parte do acordo de delação do marido.

Projeto

O deputado Manoel Ludgério reafirma o desejo de disputar a Prefeitura de Campina, mas antes de brigar pela vaga no PSD, que tem outros nomes, pretende ouvir os campinenses. Garante já ter o apoio do PR.

O rio

O presidente Adriano Galdino já convida para sessão especial da ALPB que discutirá problemas e soluções para o rio Paraíba, a partir da série da TV Correio e Fundação Solidariedade. Será quarta-feira, às 15h.

ZIGUE-ZAGUE

< Marcelo Ramos (PR-AM), presidente da Comissão Especial da reforma da Previdência, confirmou que deputados vão apresentar novo projeto e abandonar o de Paulo Guedes.

> O acerto tem aval de Rodrigo Maia. Ramos disse que não se pode correr o risco da reforma não ser aprovada porque o deputado antipatiza com o governo Bolsonaro.

Relacionadas