quarta, 21 de outubro de 2020


Hermes de Luna
Compartilhar:

A hora do jogo e o peso de cada candidato

05 de setembro de 2020
Eleições em João Pessoa podem determinar um novo desenho político para o Estado

O jogo está só começando. As convenções partidárias formalizam as alianças e distribuem no tabuleiro eleitoral as peças da disputa que se aproxima, já sinalizando as estratégias que vão ser usadas em cada uma das composições partidárias. As eleições municipais podem mudar a configuração ideológica do Estado, que chegou a ter no "socialismo"do PSB um perfil mas à esquerda, com a grande maioria de prefeitos abrigada no guarda chuva governamental. Com a credibilidade em ruínas, as principais lideranças dessa sigla dificilmente vão puder se vangloriar de ter eleito uma generosa quantidade de gestores, quando dezembro chegar.

Na política o "efeito fênix" sempre está presente. Não se pode menosprezar a ideia de ressurgimento, em eleições futuras, de um Ricardo Coutinho, por exemplo. Ele pode ser candidato, mas com um revés na Justiça, pode lançar mão do nome de sua esposa, Amanda Rodrigues. O ex-governador vai colocar à prova seu prestígio junto ao eleitorado, mesmo com sua imagem pública arranhada.

No pleito deste ano, porém, a possibilidade é mesmo remota. Ele vai ser ditado por uma nova arrumação nas lideranças estaduais, com a volta por cima de alguma figuras que estavam distante do cenário político. É o caso do ex-prefeito, ex-senador e ex-governador Cícero Lucena. Será um teste para sua desenvoltura como um político identificado com João Pessoa. Cícero está aí para provar que renascer das cinzas está no cardápio fixo dos políticos.

Teste também será para a afirmação de lideranças que mantêm uma visibilidade bem aguçada por conta dos cargos públicos que ocupam. Nessas cadeiras estão o governador João Azevêdo e o prefeito da Capital, Luciano Cartaxo.  Já passou por outras situações com essa e se saiu bem, mas era ele quem estava na disputa. Este ano, é um aposta grande e arriscada que está fazendo, com a professora Edilma Freire. João optou por uma caminho mais previsível, com a aliança firmada com Cícero. Mas sua força como liderança política também passará pela prova das urnas.

Das legendas mais históricas, o DEM e o MDB (derivações de Arena, mais antiga; e PMDB, mais recente) saíram-se com duas candidaturas novas, com caras de renovação no quadro partidário. O ex-vereador e suplente de deputado Raoni Mendes pode consolidar uma posição bem interessante para o Democratas a partir da campanha que fizer em João Pessoa. O partido de centro direita se fortalece no discurso conservadorista que tem pautado grande parte da sociedade brasileira. O radialista Nilvan Ferreira aposta no discurso e na sola de sapato para transformar sua popularidade em votos. Nilvan tem uma grande legenda  na sustentação de sua candidatura, é destemido nessa guerra e pode, sim, ser o diferencial da disputa. Os dois precisam, no entanto, do engajamento das maiores lideranças de suas respectivas legendas. Sem isso, podem ter que amargar um palanque esvaziado.

A campanha que vai se desenrolar abaixo dessa linha tem que ser analisada com critérios particulares. O deputado estadual Anísio Maia, pelo PT, pode até não alcançar um patamar desejado em sua performance eleitoral, mas cumpre um papel importante para a legenda que é o de resgatar a autoestima. Sem dúvida, o PT foi o partido que mais sofreu com a avalanche de denúncias de corrupção (sem entrar no mérito de cada uma) e vai ter que contar muito coma boa vontade de suas lideranças país afora para emergir com forças para outras empreitadas. O Patriotas talvez seja a grande novidade dessas eleições municipais de João Pessoa, com o deputado estadual Wallber Virgolino e sua mira no discurso para ter ao seu redor a direita paraibana. São dois contrastes ideológicos. Pelo ambiente político atual do país, Virgolino tem mais chances de embalar na campanha, surfando na gradual satisfação dos eleitores com a gestão federal.

Outras pré-candidaturas sofrem de nanismo. Não devem alcançar dois dígitos em qualquer avaliação de desempenho eleitoral que se promova daqui para frente. As convenções abrem um ciclo de disputa muito mais acirrado. É hora de ver quem está no jogo ou que apenas vai blefar.