segunda, 10 de dezembro de 2018

Edinho Magalhães
Compartilhar:

A ‘Cura pro Cura’ em Campina

13 de novembro de 2018
O projeto CURA - Comunidade Urbana para Recuperação Acelerada, da década de 70, fazia parte do Plano Nacional de Desenvolvimento Urbano-PNDU, dentro de uma política criada pelo Governo Militar, para ajudar a resolver problemas demográficos do país. Segundo dados históricos, a cidade de Campina Grande tinha o perfil ideal para implementar o PNDU, a fim de conter a migração das pessoas do interior para o litoral e/ou, em direção às regiões metropolitanas das capitais. O projeto CURA foi financiado pelo BNH com apoio do Banco Mundial. À época o prefeito era o ex-deputado Enivaldo Ribeiro, que é o atual vice-prefeito de Campina. Embora tenha sido essencial naquele período, reflexos do projeto Cura estariam, ainda hoje, sendo um dos impedimentos para que a atual gestão da prefeitura de Campina consiga empréstimos e financiamentos internacionais, nos mesmos moldes que a cidade de João Pessoa conseguiu, semana passada, junto ao Banco Mundial, no valor de U$ 100 milhões.

Fato é que agora o prefeito Romero está agindo e buscando soluções junto aos Ministérios do Planejamento e da Fazenda, em Brasília, ao lado do deputado (e líder do Governo na Câmara), Aguinaldo Ribeiro, filho de Enivaldo, para reverter a situação. A operação está sendo chamada nos bastidores de “a cura pro cura” e tem a peculiaridade de envolver – do início ao fim – os Ribeiro, pai e filho, em torno da prefeitura de Campina Grande. De Brasília, vamos acompanhar e torcer para uma solução rápida e justa. Campina merece.

Na Transição

Em contato com a coluna em Brasília, o ‘pastor-procurador’ paraibano Sérgio Queiroz repetiu que está na equipe de transição do Governo Federal como uma espécie de ‘líbero’, jogando em múltiplas funções oferecendo sua experiência de servidor público e sua formação acadêmica, para ajudar na missão. Sérgio é procurador, engenheiro, advogado, técnico, professor e pastor.

Na Transição 2

Para se ter uma idéia do comprometimento do grupo de transição em que Sérgio Queiroz está inserido, na busca de ações e planejamentos para o que for melhor ao país, ele comenta com firmeza: “Edinho, nesse momento eu sou Governo e não posso colocar nem os interesses de minha própria categoria profissional, acima dos interesses do Estado”. Dedicação total.

Na Transição 3

O foco do grupo é obter o máximo de dados em todas as áreas, com maior abrangência possível, ouvindo interlocutores e observando exemplos de sucesso nos mais diversos setores, no país e fora dele, para replicar no serviço público brasileiro. “É enxugar, racionalizar, otimizar, e economizar, para se conseguir fazer sempre mais com menos”.

Manoel em Brasília

O vice-prefeito de João Pessoa chega a Brasília nesta terça. Na pauta, agenda de audiências com projetos para a capital paraibana. Manoel Jr. emitiu ‘nota de esclarecimento’ pelas redes sociais na última sexta, sobre a citação de seu nome em delação premiada da operação lava jato. Na nota, Jr chama a ação de “leviana e irresponsável” e afirma que “não conhece o denunciante e que jamais recebeu doações da empresa JBS às suas campanhas”.

Benjamin, o Moro da Paraíba

Pelas redes sociais o senador Cássio lembra que não é novidade aos paraibanos verem um magistrado largar à toga para servir à sociedade: “Na década de 90, o Juiz Marcos Benjamim, tão honesto, íntegro e competente quanto o Dr. Sérgio Moro, renunciou à magistratura para assumir a Secretaria de Segurança Pública, a convite do governador Ronaldo Cunha Lima”.

Aumento do STF sobe no telhado

Advogados vinculados ao partido NOVO entraram com ação popular na Justiça Federal em Brasília para tentar barrar o aumento concedido – de forma relâmpago – pelo Senado aos ministros do STF, semana passada.

Aumento do STF sobe no telhado 2

O argumento principal dos advogados é que o aumento fere a Lei de Responsabilidade Fiscal ao conceder aumento de gastos a menos de 180 dias do final de uma gestão ou de um mandato. “Por mais que se tenha previsão orçamentária, a vedação da lei é clara. A Justiça terá que suspender o aumento para readequá-lo para início do próximo ano”, informaram à coluna.

Aspas

"Cuidar da Saúde também é coisa de homem”, nas redes sociais do deputado Efraim Filho, sobre a campanha ‘Novembro Azul’ de prevenção ao câncer de próstata.

Relacionadas