quarta, 19 de dezembro de 2018
Cinema
Compartilhar:

I Mostra de Cinema Walfredo Rodriguez promove exibição gratuita

André Luiz Maia / 08 de novembro de 2018
Foto: Divulgação
A produção cinematográfica paraibana está passando por um período de franca ascensão nos últimos anos. Como reflexo disso, a Prefeitura de João Pessoa promove a partir desta quinta-feira (8) a I Mostra de Cinema Walfredo Rodriguez, em uma parceria com o Fórum Setorial Audiovisual.

Na programação, curtas e longas-metragens produzidos com recursos ofertados pelo edital de fomento ao cinema encabeçado pela gestão municipal da cidade, em parceria com a Agência Nacional de Cinema (Ancine).

“A mostra tem dois objetivos principais: acesso da população a essa produção que vem sendo realizada de 2013 pra cá e fomentar a formação dos profissionais da área de audiovisual”, salienta Paulo Roberto, curador da mostra e coordenador do projeto W.R_Lab.

Neste laboratório criativo, a ideia é apresentar quesitos importantes para uma obra audiovisual puder ser competitiva e mercadologicamente atrativa. Foram selecionados seis proponentes, que serão contemplados com encontros com profissionais da área, que os ajudarão na formatação de seus respectivos projetos.

Diálogo com o momento

Um dos principais critérios para a seleção dos filmes apresentados é o ineditismo. “A gente viu alguns filmes conseguindo boa repercussão em festivais nacionais e até mesmo no exterior, mas que ainda não conseguiram ter uma exibição apropriada em sua casa, seu estado de origem e produção”, salienta Paulo Roberto.

Um dos exemplos é Sol Alegria, que será exibido no sábado. O novo filme de Tavinho Teixeira (Batguano) já havia sido apresentado em festivais como Roterdã, mas segue inédito na Paraíba. A produção apresenta um país comandado por militares e religiosos corruptos que pregam o apocalipse. No meio do caminho, uma família auxilia a tentativa de uma célula revolucionária mudar essa situação.

Outro filme na mesma situação é Rebento, de André Morais, destaque na Mostra de Cinema de Tiradentes e premiado no Festival Internacional de Cinema de Lisboa, pela atuação de Ingrid Trigueiro. O filme chegou a ter uma exibição programada, mas cancelada devido ao mau tempo.

Rebento também foi escolhido, aponta Paulo, por trabalhar com temáticas importantes como a opressão feminina, algo que o curta Crua, de Diego Lima, também compartilha. “Praticamente todos os filmes exibidos aqui falam sobre o momento social atual do Brasil de alguma forma. São filmes que debatem e levantam questões em voga atualmente. Acredito que instigar o debate é uma das funções que o cinema tem”, completa o curador.

 

Relacionadas