sábado, 06 de março de 2021

Violência
Compartilhar:

Santa Rita está entre as cidades mais violentas do País, revela pesquisa

Katiana Ramos / 05 de junho de 2017
Foto: Divulgação
Jovens dos 15 a 29 anos correspondem a 54,4% dos assassinatos registrados na Paraíba em 2015. Naquele ano, o Estado somou 1.522 Crimes Violentos Letais Intencionais (CVLIs), de acordo com o Atlas da Violência, divulgado nesta segunda-feira (5) pelo Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea).

O estudo analisou dados de todo o País de 2005 a 2015. Neste período, o número de homicídios aumentou 104% na Paraíba e o Estado registrou uma taxa, no último ano analisado, de 74 mortes para cada 100 mil habitantes.

O documento trouxe ainda o ranking dos municípios mais violentos do País e Santa Rita, na Região Metropolitana de João Pessoa, ocupa a 22ª colocação. De acordo como Atlas, a cada três dias ocorria pelo menos uma morte violenta na cidade, que somou 100 assassinatos em 2015.

A manhã de 26 de fevereiro de 2015 foi a última para Tomas Sales do Nascimento, de 15 anos. O adolescente foi morto a tiros em frente a casa para onde tinha acabado se mudar, no bairro do Alto das Populares, em Santa Rita. Antes, ele morava no bairro do Marcos Moura, no mesmo município, e fugiu por medo de ser morto, segundo informou a Polícia, à época do crime. Jovens na faixa etária de Tomas e em situação igualmente vulnerável dificilmente chegam aos 29 anos, na Paraíba. De acordo com o Atlas da Violência, foram 828 vítimas com esse perfil assassinadas no Estado, em 2015. Ou seja, 54,4% do total de Crimes Violentos Letais Intencionais (CVLI) daquele ano.

O total de vítimas nesse grupo etário mais que duplicou de 2005 para 2015, período analisado pelo Ipea. Nesse primeiro ano, foram 403 mortes de jovens, como Tomas, ocorridas no Estado. Ainda com a triste saga do garoto de Santa Rita, as mortes provocadas por arma de fogo também são as mais recorrentes no caso dos homicídios registrados no Estado. Em 2015, foram 1.264 mortes com o uso desse instrumento.

NEGROS

Se as pessoas na faixa etária dos 15 anos 29 anos são as que mais morrem na Paraíba, no caso dos negros a probabilidade de ser a próxima vítima de homicídio é ainda maior. Para cada grupo de 100 mil habitantes negros no Estado, 52,3 foram assassinados em 2015. No caso dos grupos de ‘não negros’, como classifica a pesquisa do Ipea, a taxa cai para 6,1.

POLÍTICAS

A reportagem procurou, por telefone e email, a Secretaria de Estado de Segurança e Defesa Social (Seds) para comentar o assunto. Mas, não obteve resposta. Por sua vez, a secretária-executiva da Juventude, Priscilla Gomes, informou que o governo estadual possui diversas ações voltadas para jovens em situação vulnerável e em risco de ingresso na criminalidade.

De acordo com ela, os projetos são elaborados e executados nas áreas que apresentam o maior índice de criminalidade, como casos de homicídio e tráfico de drogas. Além disso, as ações integradas com a Secretaria Estadual de Educação são as principais.

Relacionadas