quinta, 27 de junho de 2019
Violência
Compartilhar:

Crianças e adolescentes negros na mira da violência

Rammom Monte / 30 de junho de 2016
Foto: Divulgação
“A carne mais barata do mercado é a carne negra”. A frase é um trecho da música “A carne”, famosa na voz da cantora Elza Soares, mas poderia ser um resumo da situação da Paraíba presente no Relatório Violência Letal Contra as Crianças e Adolescentes do Brasil, elaborado pela Faculdade Latino-Americana de Ciências Sociais (Flacso) e divulgado nesta quinta-feira (30). De acordo com o estudo, em 2013 foram assassinadas 659,1% mais crianças e adolescentes negros do que brancos no Estado.

O número fica ainda mais assustador se comparado ao restante do Brasil. Segundo o levantamento, a Paraíba ocupa o segundo lugar do país quando se compara o número de homicídios de crianças e adolescentes negros em relação aos brancos, ficando atrás apenas do Distrito Federal, que tem um índice de 934,4% (em outras palavras, na capital da República morrem, proporcionalmente, mais de 10 crianças e adolescentes negros por cada branco). O estudo levou em consideração pessoas de menos de 1 a 17 anos de idade.

Ainda de acordo com o levantamento, em 2013 a cada 100 mil crianças e adolescentes brancas, 2,9 foram assassinadas na Paraíba, que ocupou o 19º lugar do país, ficando sete posições atrás da média nacional (4,7/100 mil). Já em relação às vítimas negras, o Estado ficou na quinta posição em todo Brasil, com uma taxa de 21,7 a cada 100 mil, sete posições a frente do índice nacional (13,1/100 mil).

Vítimas de 16 e 17 anos

Quando analisado apenas os números de vítimas com 16 ou 17 anos, a situação da Paraíba melhora um pouco mais ainda é catastrófica. O Estado ocupa a quinta colocação do país com 482,5% mais mortes de crianças e adolescentes negros em relação aos brancos, ficando atrás apenas do Maranhão (595,9%), Pernambuco (641,2%), Distrito Federal (709,2%) e Sergipe (1923,3%)

Em números absolutos, em 2013 morreram 8 crianças e adolescentes brancas de 16 ou 17 anos e 95 negras. Se analisado a faixa etária de 0 a 17 anos, em 2013 morreram 12 brancos e 152 negros.

Números gerais

Não levando em consideração a etnia, em 2013 foram assassinadas 321 crianças e adolescentes na Paraíba entre 0 e 19 anos. O número representa um aumento de 296,3% em relação a 2003, quando foram registrados 81 homicídios de vítimas na mesma faixa etária.

Em 2003 anos, a Paraíba ocupava a 22ª colocação no país em relação a taxa de homicídios de crianças e adolescentes entre 0 e 19 anos, com um índice de 5,4 homicídios a cada 100 mil pessoas. Uma década depois, o Estado pulou para a 8ª posição, com uma taxa de 24,1/100 mil.

info_violência

Meios utilizados

A pesquisa traz ainda o levantamento dos meios utilizados para praticar os homicídios nas crianças e adolescentes de 0 a 17 anos. Dos 184 assassinatos de 2013, 156 foram provocados por armas de fogo, o que representa um percentual de 84,8%. O restante foi estrangulamento ou sufocação (2 casos ou 1,1%), cortante-penetrante (16 ou 8,7%), objeto contundente (4 ou 2,2%), força corporal (1 ou 0,5%) e outros meios (5 ou 2,7%).

Relacionadas