sexta, 18 de setembro de 2020

Violência
Compartilhar:

Clínicas médicas viram alvos fáceis para bandidos

Alyf Santos / 11 de novembro de 2016
Os doentes que procuram as clínicas médicas para se consultar ou realizar alguns exames não estão tendo sossego e segurança. É que as ações dos criminosos têm sido cada vez mais frequentes nas clínicas particulares, mesmo existindo nesses locais equipes de segurança. O alvo dos bandidos são os clientes e funcionários que são forçados a se reder para entregar os seus objetos pessoais e também das clínicas. Há menos de um mês, dois estabelecimentos foram roubados no Estado.

A Secretaria de Segurança e Defesa Social da Paraíba não tem nenhuma estatística oficial desses crimes ocorridos nas clínicas médicas. Mas, o Correio Online realizou um levantamento extra-oficial e detectou que somente nestes onze meses, seis clínicas médicas foram alvos de bandidos.

E o trauma que fica nas vítimas, principalmente as que trabalham nesses locais, não se cura do dia para noite. A consequência psicológica deixada nessas pessoas é tão grave que até para atender a equipe de reportagem do Correio Online, uma das funcionárias da clínica visitada ligou para o Sistema Correio se certificando que se tratava realmente de uma reportagem sobre esse tipo de violência.

A clínica em que realizamos a entrevista foi assaltada duas vezes e para receber a equipe de reportagem o atendimento do horário agendado foi cancelado com os clientes. A medida foi tomada por prevenção e, segundo a entrevistada, caso fosse um trote e ocorresse algum assalto, não haveria pacientes no momento.

A secretária da clínica, que pediu para não ser identificada, contou que ficou desconfiada ao aceitar a entrevista. “Pelo que passamos não podemos confiar em todo mundo. Só aceitamos participar pelos critérios de identificação da reportagem”, comentou a funcionária, acrescentando que a sensação da insegurança tem preocupado muito e, para se precaver, os investimentos na segurança estão sendo prioridade.

Segundo a funcionária, esses assaltantes buscam celulares, dinheiro e jóias dos pacientes. Da clínica, eles procuram objetos eletrônicos e a quantia em dinheiro que estiver no caixa. “Eles procuram as clínicas médicas particulares porque sabem que os pacientes têm dinheiro e bons objetos. Quando nos assaltaram, levaram dinheiro dos pacientes, o relógio do nosso fisioterapeuta que chegava no momento para buscar apenas alguns documentos e acabou sendo vítima. Sei que nesse dia eles nos deram um prejuízo de mais de R$ 800,00 entre pacientes e funcionários”, disse.

Uma das funcionárias que estava no dia, mesmo sem portar nenhuma arma ou partir para cima deles, tentou impedir que os criminosos agissem. “No último ocorrido, quando eles anunciaram que estavam pra assaltar, a colega da cantina se escondeu e ligou pra polícia. Mas, quando os policiais chegaram os bandidos já tinham deixado nossa clínica. Eles agem rápido demais”, disse. Segundo ela, no mesmo dia outras clínicas foram alvos dos criminosos.

A situação pós assalto é delicada. De acordo com a funcionária, para se reabilitar requer muita paciência e coragem. “O medo de eles voltarem no outro dia é grande. Mas, precisamos seguir de cabeça erguida e esquecer o ocorrido. Sabendo que é preciso ficar atento e na expectativa desses eventos inesperados”, relata, acrescentando que uma das maiores preocupações é com o paciente. “Os pacientes ficam nervosos, claro. Graças a Deus os que passaram por isso em nossa clínica, voltaram sem nenhum receio”, disse.

Dicas de segurança

- Levante o máximo de informações do funcionário antes de contratá-lo.

- Mantenha as portas com sistema de alarme ligado, sempre que o seu estabelecimento não estiver aberto ao público.

- Mantenha somente o dinheiro necessário na gaveta.

- Evite colocar propagandas e cartazes em vitrines que impeçam a visibilidade do lado de fora.

- Instale um dispositivo que anuncie a entrada de qualquer pessoa no seu estabelecimento comercial.

-Divulgue seu sistema de alarme através de placas colocadas em lugares visíveis.

-Desenvolva um sistema de ajuda mútua entre os estabelecimentos da sua área.

-Troque as fechaduras periodicamente, se o nível de demissões for alto.

-Tenha mais de uma pessoa abrindo e fechando a loja.

*Fonte: livro "Viva em Segurança", da Corpvs Segurança.

Relacionadas