sexta, 18 de setembro de 2020

Trânsito
Compartilhar:

Trânsito caótico na UFPB pode abrir porta para intervenção do Detran e Semob

Aline Martins / 24 de maio de 2016
Foto: Assuero Lima
O prefeito da Universidade Federal da Paraíba (UFPB) vai encaminhar uma proposta ao Conselho Universitário para que órgãos de trânsito – Superintendência Executiva de Mobilidade Urbana (Semob) ou Departamento Estadual de Trânsito (Detran) – possam entrar na instituição e fazer uma fiscalização. No local, há desrespeito às leis de trânsito, o que se tornou uma situação “insustentável”.

No campus I, no entorno do Centro de Ciências da Saúde (CCS), carros estacionam em locais proibidos e ainda impedindo o fluxo. A estudante Brenda Costa parou em frente à placa de ‘proibido estacionar’. “Não temos vagas na universidade e como todo mundo estava parado nesse local resolvi também parar. Muitas vezes tenho que parar em Educação Física – do outro lado – e caminhar muito para poder ter aula no CCS”, afirmou.

Nesse mesmo local, a bioquímica Maysa Nóbrega reclamou do desrespeito de alguns condutores. Ela revelou que já ficou trancada por um carro. “Eu ia sair depois do trabalho e não consegui porque pararam na minha frente”, comentou.

Em Odontologia, a professora Jossana Sousa disse que faltam vagas e lembrou que o número de carros que trafegam pelo local aumentou assustadoramente. “Quando eu comecei a estudar aqui em 2006 era bem tranquilo. Hoje é muito difícil”, pontuou.

O prefeito da UFPB, Jandir Santana, informou que não há fiscalização no local porque regimentos da universidade e da Prefeitura não têm uma polícia de trânsito. Mas informou que será formada uma comissão, ainda sem data definida, que fará um diagnóstico de todo o campus e apresentará uma proposta de sinalização ao Conselho Universitário.

“Mesmo que se faça o melhor projeto do mundo dentro da instituição, se não houver uma fiscalização não vai para canto nenhum. A gente vai baixar uma portaria e vai propor um convênio com a Semob ou com o Detran para que passem e multem porque é carro no meio do caminho, em cima da calçada, porque quando dói no bolso é que o camarada sente”, frisou.

No CAM. Em um local proibido e ainda em cima do canteiro. Foi assim que o vendedor Joseph Brandão parou seu veículo no pátio do CAM, em Água Fria. Ele disse que não prestou atenção. Motoristas disseram que faltam vagas.

O superintendente de Mobilidade Urbana, Carlos Batinga, informou que os agentes de mobilidade já estão realizando as fiscalizações dentro do CAM e que, na UFPB, seria necessário verificar o regulamento que rege a instituição já que é área federal, mas que já está em contato com a direção para saber como pode fiscalizar.

Leia Mais

Relacionadas