segunda, 19 de abril de 2021

Trânsito
Compartilhar:

Obra ainda não foi concluída no Varadouro e trânsito segue desviado

Aline Martins / 05 de dezembro de 2018
Foto: Nalva Figueiredo
Uma obra de drenagem na Avenida Sanhauá, por trás do Terminal Rodoviário, no bairro do Varadouro, em João Pessoa, no sentido Bayeux, se arrasta por mais de quatro meses sem conclusão. Os motoristas e os pedestres que passam pelo local reclamam do problema. Eles precisam ter paciência e redobrar a atenção por conta das alterações no trânsito. Nos horários de ‘rush’ é comum os congestionamentos, pois uma das vias está parcialmente interditada. Em setembro deste ano, a Secretaria de Infraestrutura da Capital (Seinfra) informou ao CORREIO que o serviço seria concluído em 15 de outubro, mas a obra está atrasada.

No trecho bloqueado, duas tampas de galerias já foram colocadas, porém ainda há vários amontoados de areia, tijolos, tubos de concretos e pedra britada. Para poder passar, os motoristas que seguem no sentido Bayeux precisam invadir uma das faixas do sentido oposto da via e depois retornar a parte desbloqueada. A interdição, que foi feita pela Superintendência Executiva de Mobilidade Urbana (Semob-JP), ocorreu em 15 de outubro e a previsão era durar 20 dias. Há alguns cones que sinalizam a mudança, mas devido ao intenso fluxo de veículos na área é comum os instrumentos estarem derrubados ou quebrados. Para evitar acidentes, a população que mora ou trabalha coloca cones ou objetos que ajudam a dividir a via.

Durante a reportagem não havia funcionário trabalhando na obra. O autônomo Clemilson Lopes passa pelo menos duas vezes por dia de bicicleta no trecho interditado e percebe os congestionamentos, principalmente nos horários de pico. “Tem hora que fica tudo parado de tanto carro. É muito ruim. Eu como ando de bicicleta consigo passar por dentro do bloqueio e não fico preso”, comentou. Impaciente também com o problema de trânsito há motocicletas que também trafegam pela área interditada.

Sem retorno. O CORREIO entrou em contato com o secretário de Infraestrutura (Seinfra) Cássio Andrade, mas ele pediu para que encaminhasse um e-mail para a assessoria de comunicação para que ele respondesse. Assim foi feito, mas até o fechamento desta matéria, não houve reposta para os questionamentos feitos sobre essa obra.

Relacionadas