quarta, 19 de dezembro de 2018
Trânsito
Compartilhar:

Motoqueiros são flagrados invadindo passarela

Ainoã Geminiano / 25 de abril de 2018
Foto: Assuero Lima
Um flagrante feito pela reportagem do Correio, na manhã dessa terça-feira (24), na BR-230, mostra motoqueiros desafiando a legislação e atravessando a rodovia pela passarela de pedestres, montados e com a moto funcionando, como se estivessem na via. O Código de Trânsito Brasileiro (CTB) prevê multa para esta infração, mas isso não parece inibir os motoqueiros.

O flagrante aconteceu na passarela instalada no quilômetro 16, da BR-230, entre os bairros João Agripino e Pedro Gondim, na Capital. Na foto, um ciclista e dois motoqueiros, todos montados nos veículos, fazem a travessia, por cima da passarela. O inspetor da PRF, Francenildo Fortunato, disse que as duas situações são infrações, inclusive do ciclista.

“O ciclista é considerado pedestre nesse tipo de travessia, quando está desmontado e empurrando a bicicleta. Montado, em cima da passarela, ele coloca em risco a vida dos pedestres. No caso do motoqueiro, que está com veículo motorizado, a infração é gravíssima e, infelizmente, é corriqueira”, disse.

Francenildo destacou que as guarnições da PRF já fizeram várias autuações de motoqueiros, embora os dados estatísticos estejam temporariamente indisponíveis.

“Nós temos dez passarelas em um trecho de 28 quilômetros e, por isso, não temos como deixar equipes fixas, dedicadas a essa fiscalização. Mas, em rondas, nossas equipes já fizeram várias autuações. Nem sempre é possível abordar o motoqueiro, mas anotando a placa é feita a infração e o condutor recebe a multa em sua casa”, explicou.

Não só na BR. Motoqueiros usando a passarela também são vistos com frequência na passarela que fica na Avenida Pedro II. Mas os agentes da Superintendência de Mobilidade Urbana (Semob), não tiveram a mesma sorte dos PRFs para fazer a autuação dos infratores.

Segundo o diretor de operações, Maximiano Machado, os motoqueiros que fazem isso dentro da cidade dão um jeito de esconder a placa das motos, seja dobrando a placa ou cobrindo.

“Também costumam fazer isso em horários muito cedo ou muito tarde, quando há muito tráfego na cidade e os agentes estão mobilizados em operações de controle do tráfego”, disse o diretor.

"Corredor" é permitido

O artigo 193 do CBT, ao listar os ambientes por onde os motoqueiros não podem trafegar montados, além de passarela de pedestre, faz referência a “divisores de pista de rolamento”. Mas, segundo Maximiano Machado, essa parte não se refere à prática do chamado “corredor”, bastante utilizada por motoqueiros, que é o hábito de trafegar entre os carros. “Há um projeto tramitando no Congresso, que é uma tentativa de permitir esse tipo de manobra apenas quando os carros estiverem parados. Mas já faz tempo que esse projeto existe e nunca foi votado. Estamos o aguardo”, acrecentou.

Relacionadas