segunda, 20 de maio de 2019
Cidades
Compartilhar:

Terreno em Mangabeira II vira um lixão

Bárbara Wanderley / 06 de outubro de 2017
Foto: NALVA FIGUEIREDO
Lixo, entulho de construção e até animais mortos. Quem vê a situação do terreno localizado na Rua Maria Paulino da Silva, em Mangabeira II, nem imagina que ali antes havia uma escola. Os moradores até tentam manter a limpeza, mas nem todo mundo obedece à sinalização de não jogar lixo e como resultado o mau cheiro, ratos, insetos e caramujos africanos se espalham pelo local.

Demolida no ano passado, de acordo com o aposentado João Alves, morador da região, a escola estadual nunca chegou a funcionar. “São 31 anos de abandono. Essa escola era da época de Wilson Braga, mas nunca chegou a funcionar. Os sem-teto invadiram e fizeram barracos em volta, jogavam lixo, a gente reclamava. Até que, na época do governo de Maranhão, eles foram transferidos para umas casas. No ano passado a escola foi demolida, e desde então o pessoal vem jogando lixo aí”, contou.

“Tudo que é bicho aparece na nossa casa. É lixo demais. Jogam até animais mortos. Estão construindo uns apartamentos aqui perto e o pessoal joga os entulhos da construção aqui. De vez em quando chega um carroceiro para jogar”, disse a dona de casa Marlete das Neves Lira.

João Alves disse que alguns moradores da rua já foram acometidos por doenças como dengue e chikungunya, e sempre associam ao terreno. “Agora mesmo tem dois pneus jogados ali, aquilo acumula água e cria Aedes aegypti”, comentou. . Segundo ele, também ocorreram infestações de caramujo africano no terreno, mas ultimamente os bichos sumiram. “À noite, de vez em quando a gente vê um rato passar correndo, às vezes eles entram na casa da gente”.

Os moradores destacaram que já fizeram diversas denúncias sobre o problema do lixo, tanto a órgãos públicos quanto a veículos de comunicação, mas até agora não obtiveram nenhum retorno. “Quando a escola ainda existia, a TV Correio fez uma matéria e a escola foi derrubada. Foi o único resultado que conseguimos”, lembrou João Alves.

Relacionadas