terça, 01 de dezembro de 2020

Cidades
Compartilhar:

Sobra pesquisa e falta dinheiro no combate ao mosquito mais temido do Brasil

Fernanda Figueiredo / 10 de dezembro de 2015
Foto: Arquivo
Pesquisadores da Universidade Estadual da Paraíba se reuniram, na manhã de ontem, com técnicos da Secretaria de Saúde de Campina Grande para debater ações da ‘força-tarefa’ contra o Aedes aegypti, sugerida pelo reitor Rangel Junior. O pesquisador em ecologia de insetos, Eduardo Barbosa, ressaltou que não faltam novidades em pesquisas que garantam a redução do mosquito, mas falta dinheiro para executá-las.

“Tecnologia há, agora é preciso destinar meios para isso. A UEPB pode fazer a diferença, desde que haja recursos. Existem pesquisas com insetos transgênicos e tecnologias novas em desenvolvimento.Estou pensando em trazê-las pra cá, mas são caras e é preciso que haja um investimento do poder público para que possamos trazer essas técnicas para reduzir a quantidade do mosquito”, disse Eduardo.

O pesquisador ressaltou ainda a existência de plantas que podem servir para o desenvolvimento de inseticidas naturais. “É só estudarmos o princípio ativo para desenvolvermos o que for necessário. Tenho contato com estudiosos da Fundação FioCruz que estão produzindo tecnologias possíveis de serem trazidas para a Paraíba, mas não penso isso para agora”, disse.

Leia mais no Jornal Correio da Paraíba.

Relacionadas