segunda, 21 de setembro de 2020

Segurança
Compartilhar:

Número de armas apreendidas na Paraíba deve ser menor que em 2015

Ainoã Geminiano / 06 de dezembro de 2016
Foto: Divulgação
 

A Polícia Militar continua apreendendo muitas armas na Paraíba - uma média de 8 por dia, mas o volume de apreensões deve apresentar uma queda da ordem de 26% este ano, com relação ao ano passado, se a média mensal registrada até ontem for mantida até o final deste mês. Enquanto no ano de 2015 foram apreendidas 3.887 armas, este ano, de janeiro até essa segunda-feira (05), foram 2.630 apreensões. Para o comandante geral da PM, coronel Euller Chaves, a redução está associada a diversos fatores, entre eles uma mudança no perfil das ações criminosas.

Os dados parciais das armas apreendidas este ano são relativos às apreensões que foram pagas aos policiais, que têm direito a uma gratificação por cada arma apreendida. Por esse motivo, ainda podem sofrer alterações com relação ao período de janeiro a 5 de dezembro, porém não suficiente para alterar a projeção dos dados finais de 2016.

Ao analisar a queda nas apreensões, o comandante Euller Chaves disse que os índices criminais seguem em queda na Paraíba, o que seria resultado do trabalho preventivo da polícia, que incluir a apreensão de armas. "O que temos percebido é uma mudança no tipo das apreensões, resultado de uma mudança no perfil das ações criminosas. Reduzimos os índices de assalto a ônibus na Capital, roubo de motos e outros tipos de assalto à pessoa. Enquanto isso, temos a crescente de ataques a bancos, que é outro perfil de assalto. Por conta disso, temos um número jamais visto de apreensão de armas de calibre pesado, como fuzis, metralhadoras e espingardas calibre 12", disse.

O comandante lembrou das apreensões realizadas nas cidades de Queimadas, Barra de Santana e Remígio, com destaque para os 10 fuzis, cinco pessoas presas e duas mortas em confronto com a polícia.

TJ encaminha armas apreendidas para o Exército

Como resultado das apreensões feitas nos últimos anos, o Tribunal de Justiça da Paraíba (TJ-PB) encaminhou, esta semana, 3.117 armas, para o Exército Brasileiro. Essas armas faziam parte de processos que foram instaurados a partir da prisão de pessoas que foram flagradas pela Polícia Militar, portando arma de forma ilegal. De acordo com a assessoria de imprensa do TJ-PB, as armas vieram de todas as comarcas do Estado, sendo transportadas mensalmente de uma região para outra, como forma de evitar o armazenamento em uma única unidade, o que facilitaria uma eventual ação de bandidos para roubá-las.

Polícia para confronto com bandidos na zona rural

Além de combater a circulação de armas, o comandante Euller Chaves falou de um dos principais planos da PM para o ano de 2017: a criação de três pelotões da Companhia de Caatinga. "Será um policiamento específico para a zona rural, com o objetivo de reprimir a ação de bandidos nessas localidades. E que fique avisado desde já. São policiais que estarão muito bem armados e estão sendo treinados para ir para o confronto", alertou.

Relacionadas