terça, 26 de janeiro de 2021

Segurança
Compartilhar:

‘Guerra’ contra violência dentro dos ônibus na Capital

Redação com assessoria / 22 de março de 2017
Foto: Secom-PB
Dez abordagens por hora dentro dos transportes públicos de João Pessoa. Em apenas dois dias, foram 500 ações pontuais feitas pela Polícia Militar nos ônibus numa verdadeira 'guerra' contra criminosos que atuam nesse espaço e aterrorizam profissionais e passageiros. Nos últimos meses, os casos de assaltos chamaram ainda mais a atenção pela forma violenta como bandidos estão agindo, inclusive, deixando pessoas feridas e até mortas.

A operação ‘Ônibus Seguro’, deflagrada pela Polícia Militar na última segunda-feira (20) para prevenir e combater assaltos a coletivos na Capital, chegou ao seu terceiro dia com a previsão de ocupar mais de 20 bairros.

LEIA TAMBÉM: Três em cada dez motoristas de ônibus já foram assaltados 

As ações dessa terça-feira (21) tiveram bloqueios nos corredores da Epitácio Pessoa, Avenida Cruz das Armas, Trincheiras, Ruy Carneiro, Acesso Oeste e nos bairros do Rangel, Jaguaribe e Valentina, bem como na saída da integração do Varadouro, contando com a presença de drones para identificar a presença de suspeitos subindo nos coletivos para que fossem prontamente abordados.

O comandante do Policiamento da Região Metropolitana de João Pessoa, coronel Lívio Delgado, disse que a operação já apresenta resultados positivos. “Só tivemos um caso de assalto a ônibus registrado nas 48 horas da operação, que foi no começo da manhã de ontem (terça-feira, 21), no Varadouro, mas com a suspeita do roubo, uma adolescente de 14 anos, apreendida em flagrante minutos depois da ação”, destacou.

O oficial disse que o plano da operação prevê a possibilidade do mesmo bairro ou corredor urbano ser ocupado por vários dias seguidos. “Não quer dizer que o que recebeu a operação ontem não seja ocupado hoje novamente, tudo faz parte de uma leitura da mancha criminal, com adaptações de acordo com a dinâmica que a PM trabalha. Com isso, esperamos reduzir os casos e prender suspeitos de cometer este tipo de crime”, explicou.

Relacionadas