sábado, 19 de junho de 2021

Saúde
Compartilhar:

Zika e chikungunya fazem ministério mudar regras para doação de sangue

Adriana Galvão com assessoria / 13 de setembro de 2016
Foto: Arquivo
Quem for doar sangue, a partir de agora, terá que passar por uma triagem clínica específica para evitar que haja transmissão do zika vírus e do vírus chikungunya durante a transfusão. O doador responderá a um questionário clínico para informar se teve sintomas ou diagnóstico dessas doenças ou se esteve recentemente em locais com elevado número de casos registrados.

A medida está prevista em uma nota técnica assinada, em conjunto, pela Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) e o Ministério da Saúde nessa segunda-feira (12). A decisão foi embasada nas evidências recentes de transmissão do zika e da chikungunya pelo sangue e ainda da zika pelo contato sexual com portadores do vírus.

Uma série de requisitos deve ser adotada na triagem de doadores pelos serviços de hemoterapia de todo o País. Com a nova orientação, os candidatos a doar sangue que forem diagnosticados clinica ou laboratorialmente com um dos vírus não poderão doar por um período de 30 dias após a recuperação completa.

Já aqueles que tiveram contato sexual com alguém diagnosticado com zika nos últimos 90 dias deverão esperar ao menos 30 dias após o último contato sexual para doarem sangue.

A nota indica ainda que o período de inaptidão clínica para o candidato à doação poderá ser mais restritivo, caso ele more em uma região com alta incidência do vírus.

Relacionadas