segunda, 25 de janeiro de 2021

Saúde
Compartilhar:

SES-PB orienta população sobre como evitar casos de leptospirose no período chuvoso

Redação com Assessoria / 04 de maio de 2017
Foto: Rafael Passos
Em virtude do aumento do volume de chuva em vários municípios paraibanos, a Secretaria de Estado da Saúde, por meio da Gerência Operacional de Vigilância Ambiental, orienta a população sobre como evitar a leptospirose. A doença infecciosa grave, causada por uma bactéria presente na urina de ratos e de outros animais, é transmitida ao homem principalmente nas enchentes e/ou inundações.

O gerente do Núcleo de Controle de Zoonoses da SES, Francisco de Assis Azevedo, alerta a população sobre a forma da transmissão da doença. “A doença no homem está associada ao contato com água, alimentos ou solo contaminados pela urina de animais portadores da bactéria leptospira. Por isso, é importante que depois de toda essa chuva a população fique atenta”, disse Francisco. A transmissão da leptospirose ocorre com maior frequência em áreas com condições sanitárias precárias e alta infestação de ratos, o que aumenta o risco de contato com a urina desses animais. Bovinos, suínos e cães também podem adoecer e transmitir a doença ao homem.

A penetração do microorganismo se dá por meio da pele lesada (ferimentos e arranhaduras) ou das mucosas da boca, narinas e olhos ou mesmo quando a pele está perfeita, quando imersa por longos períodos em água ou lama contaminadas. “Os agricultores, trabalhadores de empresas que prestam serviço de desentupimento de esgoto, moradores da zona ribeirinha estão entre os grupos de risco e precisam redobrar os cuidados”, informou o gerente do Zoonoses.

Sintomas

Os sintomas iniciais da leptospirose são semelhantes ao de uma gripe, sendo mais comum a febre, dor de cabeça, dores pelo corpo, principalmente na panturrilha (batata da perna), podendo também ocorrer vômitos, diarréia e tosse. “Se você apresentar algum sintoma da doença, procure imediatamente o médico do serviço de saúde mais próximo da sua casa, principalmente se você teve contato com água ou lama de enchentes ou esgoto. O tratamento imediato é a melhor opção”, explicou.

14 mortes

A leptospirose não é das doenças mais comuns no Estado da Paraíba, todavia, de acordo com o Ministério da Saúde, desde 2012 já foram registrados 76 casos da enfermidade com 14 mortes. A Secretaria da Saúde ainda orienta que profissionais que trabalham nas ruas e em contato com animais como agricultores, veterinários e garis precisam estar mais atentos às formas de prevenção.

Prevenção

- Controle de roedores por meio da desratização, imunização de animais domésticos e de produção (caninos, bovinos e suínos) com o uso de vacinas;

- Evitar o contato com água ou lama e enchentes e/ou inundações; impedir que crianças brinquem ou nadem em ambientes supostamente contaminados;

- Usar proteção com botas e luvas de borracha, sempre que possível e, na ausência desses, utilizar sacos plásticos nos pés e mãos;

- Proteger alimentos evitando que estes tenham contato com eles;

- Lavar e desinfetar frutas e hortaliças, utilizando 2 colheres de sopa de água sanitária (hipoclorito de sódio a 2,5%), para cada litro d’água;

- Observar a higiene dos alimentos e do local onde se come;

- Ferver e filtrar água de beber;

- Limpar a casa, paredes, chão e todos os cômodos com a seguinte solução: 1 copo de hipoclorito de sódio a 2,5% para 20 litros de água.

- Em caso de enchentes deve-se limpar a caixa d’água com a seguinte solução: 1 litro de hipoclorito de sódio a 2,5% para cada 1000 litros de água. Aguardar uma hora e esvaziá-la, abrindo todas as torneiras para desinfetá-las, podendo utilizar esta água para a limpeza da casa.

Relacionadas