quinta, 03 de dezembro de 2020

Saúde
Compartilhar:

Paraíba vai sediar pesquisa sobre a zika e as causas da microcefalia

Ainoã Geminiano / 12 de fevereiro de 2016
Foto: Secom-PB
Por causa de um acordo de cooperação entre os governos brasileiro e americano, o Centro de Controle e Prevenção de Doenças (CDC), que é ligado ao Departamento de Saúde dos Estados Unidos, vai realizar uma pesquisa na Paraíba sobre as causas da microcefalia. O Estado foi escolhido pelo Ministério da Saúde (MS) e pelo CDC para sediar a pesquisa, por já ter um estudo que revela um alto índice de casos de microcefalia, desde 2012.

Os americanos querem saber se existe outra causa da explosão da doença que atrofia o cérebro das crianças. Ontem, representantes do CDC e do MS, se reuniram com o governador Ricardo Coutinho e técnicos da Secretaria de Estado da Saúde, para discutir detalhes da pesquisa.

“O estudo vai nos dar um caminho seguro para combater e prevenir o problema. Se já temos um aumento de casos de microcefalia desde 2012 e até agora só dois casos confirmados para o zika como causa, é precisa saber o que mais pode estar acontecendo. Esperamos começar essa pesquisa já na próxima semana”, disse o governador Ricardo Coutinho.

"A Paraíba foi escolhida porque tem um banco de dados de vários anos e bastante consistente, sobre crianças com microcefalia", disse Giovanini Coelho, coordenador do Projeto Dengue/MS.

Multa para 'criadores'

A Prefeitura de João Pessoa vai poder multar os proprietários de imóveis que forem notificados para eliminar os criadouros do mosquito Aedes aegypti e não fi zerem a limpeza do local. A punição está baseada em lei válida desde o mês passado. A multa é de R$ 600 e pode ser dobrada em caso de reincidência. Os donos de terrenos baldios ou imóveis que forem citados no Disque Dengue da Prefeitura ou que forem identificados por agentes de saúde como criadouros do mosquito terão um prazo depois da notificação para eliminar os riscos.

“Se essas pessoas não tomarem nenhuma providência, o governo estará amparado legalmente a aplicar a multa. Isso é uma forma de obrigar as pessoas a assumirem a responsabilidade com sua parte no combate ao mosquito. Se a população não participar dessa guerra, não adianta nenhum esforço do poder público”, justificou o vereador Lucas de Brito Pereira, autor da lei.

Relacionadas