sexta, 04 de dezembro de 2020

Saúde
Compartilhar:

PB tem 21 mamógrafos pelo SUS e luta contra o câncer enfrenta barreiras

Francisco Varela Neto / 07 de outubro de 2017
Foto: Divulgação
A Paraíba é considerado o estado do Nordeste com a 3ª maior cobertura de exames de mamografia, segundo a secretária Estadual de Saúde, Cláudia Veras. No entanto, esse índice ainda está longe de ser o ideal. São, ao todo, 21 mamógrafos pelo Sistema Único de Saúde (SUS) espalhados num estado que tem 223 municípios, sendo apenas 13 em serviços públicos e outros oito, no setor privado. E, num universo de 244.039 mulheres na faixa etária dos 50 aos 69 anos – idade determinada pelo Ministério da Saúde para fazer a mamografia pelo SUS – apenas 45.489 passaram pelo procedimento em 2016. De janeiro a julho deste ano foram 23.360 mamografias realizadas na Paraíba.

A prevenção e a  rápida detecção do câncer de mama podem ser fortes aliadas no combate ao problema, tendo em vista que o diagnóstico precoce da doença permite a busca por um tratamento imediato. A maneira mais eficaz de fazer a detecção é o exame preventivo. A mamografia.

"A gente avalia que essa cobertura precisa ser ampliada, sob o ponto de vista de cobertura populacional em relação ao número de exames. Agora, é importante também que a gente compreenda que a programação que está no SUS, na Paraíba, que estes serviços estejam nos municípios", explicou Cláudia.

De acordo com a secretária, os exames podem ser realizados em vários locais espalhados pelo estado. "Tem uma série de locais. Em João Pessoa tem mamógrafo no Laureano, tem mamógrafo no CDC, tem mamógrafo em serviço privado que é contratado pelo SUS. Em Campina Grande no Hospital Universitário, tem no Hospital Pedro I. Cajazeiras em uma policlínica municipal, enfim, são vários ai pelo estado", afirmou.

Ela acrescentou que o estado também oferece outros exames que são necessários para o diagnóstico de câncer. "Oferece a ultrassonografia mamária e os outros exames que também são necessários para o diagnóstico, que são as biópsias seja por retirada do fragmento, ou por pulsão por agulha fina ou agulha grossa, que retira através de uma pequena pulsão o fragmento de tecido para ser analisado e ser feito o estudo daquelas células", disse.

Cláudia Veras alertou para a gravidade do câncer de mama e a importância de se fazer a mamografia. "De toda forma agora no mês de outubro a gente sempre faz muita divulgação, porque muitas vezes as pessoas também têm um certo receio de fazer o exame, as pessoas não compreendem a importância, e é um mês onde historicamente se tenta dar maior visibilidade da questão da neoplasia de mama. Os tumores malignos são a segunda maior causa de morte entre as mulheres e dentre os tipos de câncer, o de mama é o que tem maior prevalência", lembrou.

Em João Pessoa, a partir de agora, as mamografias feitas pela prefeitura, são prioritárias para mulheres a partir dos 40 anos. No Governo Federal são a partir dos 50. Segundo a secretária, o procedimento que é chamado de rastreamento, será para toda faixa etária.

"O procedimento que a gente chama de rastreamento é aquele procedimento que vai ser realizado para toda a população naquela faixa etária, independente se ela tem uma indicação clínica ou não para fazer. Esse é o que você chama de mamografia de rastreio. A recomendação do Ministério da Saúde é que ela seja para a população de 50 a 69 anos. Recentemente o secretário de João Pessoa anunciou que em João Pessoa ele iria estender a mamografia de rastreio para a população acima de 40 anos", disse.

E afirmou que no estado, nos outros serviços, a mamografia será feita a partir dos 40 anos. "Entretanto nos outros serviços do estado, não é que as mulheres não façam, mas elas farão a mamografia com 40 anos, e ai depois em uma determinada faixa etária, por exemplo, se fez o exame e está normal, ela não precisará repetir por um ano, ou depois por dois anos e no caso do rastreio não. Ele pega toda a população", finalizou.


Relacionadas