sexta, 19 de abril de 2019
Saúde
Compartilhar:

Pacientes denunciam falta de médico em USFs de João Pessoa

Aline Martins / 06 de fevereiro de 2019
Foto: Nalva Figueiredo
Cada Unidade de Saúde da Família (USF) deve ter no mínimo um médico generalista ou especialista em saúde da família ou médico de família ou comunidade conforme determina o programa do Ministério da Saúde (MS). No entanto, na prática, no bairro do Roger, em João Pessoa, a situação é bem diferente.

Segundo os pacientes, atualmente apenas um médico está fazendo o atendimento dos usuários de três unidades de saúde (Roger I e II Integrada e Róger III). Ontem, alguns pacientes saíram insatisfeitos devido a falta de atendimento. Os moradores também reclamaram da demora na marcação de exames especializados, da falta de materiais odontológicos e ausência de segurança (vigia) no período noturno, o que facilita a ação dos criminosos como ocorreu no final de novembro do ano passado, quando bandidos violaram a unidade.

“Se precisar de atendimento, tem que madrugar para pegar uma ficha. Só tem uma médica para atender três postos. A médica tem que atender criança, idoso, gestante com problemas diferentes”, denunciou a dona de casa Viviane Rodrigues, 31 anos. Ela é mãe de três crianças, duas são gêmeas menores de um ano de idade, e teve dificuldades de imunizar as filhas por conta da falta de vacinas.

“Soube que voltou ao normal na semana passada, mas foram mais de três meses sem vacinas. Eu não podia levar as duas para outro posto distante porque não tenho condições de carregar de um lado para outro porque as duas são pesadas e ainda mais com outro menino de três anos nos braços”, relatou. A dona de casa Girlene Rodrigues, 53 anos, reclamou da falta de materiais para atendimento odontológico. “Eles encaminham para o Cras em Jaguaribe porque não dá para atender aqui no Róger. Isso passa dois ou três meses para conseguir”, comentou.

Já Ana Paula Oliveira, 40 anos, aguarda há mais de um mês por uma ultrassonografia. “Eu fiz 7 exames de sangue e mostrou que eu estava grávida, mas a médica mandou fazer uma ultrasson. Até hoje aguardo que o exame seja marcado”, revelou. A dona de casa confirmou que há apenas um médico para atender três postos.

O morador Isael da Silva teve que chegar cedo para pegar uma ficha para obter uma receita médica. “Eles separam as pessoas que precisam de receita e aqueles que querem atendimento. No meu caso, eu só quero a receita porque tomo remédio controlado. A enfermeira coloca o nome do remédio e a médica assina. Eu peguei a ficha 14 e já é quase 9h e ainda não fui atendido. A gente chega às 6h, mas só entregam a ficha às 7h”, disse.

No local, os usuários da USF I eII Integrada denunciaram a falta de vigia no turno da noite. Em novembro, o local foi alvo dos criminosos que quebraram o compressor na sala do dentista e que ainda não foi substituído. No mês passado, os usuários da USF III denunciaram que a médica estava há meses sem comparecer na unidade. Foram dias de licença, atestado e de férias. Por conta disso, o atendimento ficou comprometido e ainda continua sem médico.

SMS esclarece



Apesar das diversas denúncias da população sobre a falta de médico, a Secretaria Municipal de Saúde (SMS) informou, por meio da assessoria de imprensa, que a direção do Distrito Sanitário IV, responsável pelas Unidades de Saúde da Família localizadas no bairro do Roger, que a USF Roger Integrado possui dois médicos residentes atendendo aos pacientes normalmente e assim que o novo processo seletivo de residência médica concluir, novos médicos chegarão à unidade. Quando os médicos residentes precisam se ausentar da unidade devido ao estágio e/ou aula, os usuários são atendidos pelas Unidades de Saúde vizinhas.

Em relação a USF Roger III, a Secretaria informou que a médica que atendia a USF aposentou-se. A SMS já está providenciando a substituição da profissional, mas até lá os usuários estão sendo assistidos pelas unidades vizinhas.

Em relação aos equipamentos odontológicos, a Secretaria já está providenciando a manutenção para normalizar os atendimentos o mais breve possível. Já sobre a segurança do local, a SMS repassou que a Guarda Municipal está disponível nas unidades durante todo o horário de atendimento, das 7h as 11 e das 12h às 16h. Porém não informou sobre o horário da noite como questionado pela reportagem do CORREIO.

Sobre o exame da usuária, a SMS solicita que ela procure a Gerente Saúde da sua unidade para que seja observado o motivo da demora na marcação desse exame.

Relacionadas